18 de dezembro de 2016

MEMÓRIA AIC (28): OS DESTEMIDOS



I Spy era uma série de TV que narrava as aventuras de um jogador internacional de tênis chamado Kelly Robinson, interpretado por Robert Culp, juntamente com seu treinador Alexander Scott protagonizado por Bill Cosby, que na realidade eram agentes secretos trabalhando para o Pentágono, que se disfarçavam e viajavam como tenistas amadores, porém talentosíssimos, jogando tênis com pessoas muitas ricas em troca de hospedaria e vida boa e quando às escondidas perseguiam espiões ou mulheres bonitas

A grande força criativa desta série vinha dos escritores David Friedkin, Morton Fine e do cineasta Fouad Said. 


 Juntos integravam a Three F Productions, debaixo da égide dos Estúdios Desilu, onde fora produzido. A série foi apresentada originalmente nos Estados Unidos, pela rede NBC, entre 1965 a 1968, num total de 82 episódios em três temporadas. 

No Brasil foi apresentada com o título de “Os Destemidos”.

A série também foi o primeiro drama de televisão americana a colocar um ator afro-americano (Cosby) num papel principal. Na série Cosby interpretava um agente mais experiente e se mostrava o cérebro do time, enquanto o seu companheiro fazia o jeitão do playboy e atlético.



Outro fator que chamava grande atenção era o fato da série ser focada em diversos locais exóticos do mundo, numa tentativa de imitar as diversas viagens de James Bond, mas para a televisão até que funcionava bem. Outro fator de sucesso era a química que funcionava corretamente entre Culp e Cosby.

Os fãs também sintonizam mais nas brincadeiras do que propriamente nas histórias de espionagem. Havia também referências frequentes a infância ao passado dos agentes e até um episódio, onde um dos agentes retorna para visitar sua velha casa no bairro onde ele morou e cresceu.



**A SÉRIE NO BRASIL**

No Brasil, a série estreou pela TV Record de São Paulo em julho de 1968, sendo exibida aos domingos, logo após o programa de Hebe Camargo. Após a exibição da 1ª temporada, a série foi exibida em outro dia da semana, mas ainda a emissora chegou a exibir a 2ª temporada.

Entre 1972 e 1976, as duas temporadas dubladas retornaram através da Tv Bandeirantes, tendo sido a sua última exibição em tv aberta.

Os Destemidos teve uma boa recepção junto ao público brasileiro, pois apresentava uma série de espionagem, mas de forma bem leve, com situações curiosas e engraçadas e os dois atores principais se entrosaram muito bem com os seus personagens.

Infelizmente, nem através de uma tv a cabo, a série retornou, o que demonstra uma total falta de criatividade nas programações dessas emissoras, insistindo em diversas reprises, enquanto há inúmeras séries desconhecidas do público.

A 3ª e última temporada nunca chegou a ser exibida no Brasil.




**Elenco Fixo / Atores / Dubladores**


*Robert Culp (Kelly Robinson):
Francisco Borges.


*Bill Cosby (Alexander Scott):
Borges de Barros.



**A DUBLAGEM DA AIC**


Realizada entre 1968/69, a dublagem da AIC é de um dos períodos mais fecundos do estúdio.
A escolha de Borges de Barros e Francisco Borges foi perfeita para interpretarem as personalidades distintas dos personagens.

Assim como os atores, os dubladores tiveram uma integração excelente. Além disso, a série sempre trazia muitos convidados e o elenco de vozes da época era extremamente do melhor quilate.


Infelizmente, a série Os Destemidos também era distribuída pela empresa Brascontinental, a qual faliu em meados da década de 1980, apagando assim totalmente a dublagem existente.

Graças a colecionadores conseguimos obter um episódio da 2ª temporada, para relembrarmos mais uma obra da AIC, a qual foi totalmente perdida.



**EPISÓDIO 45: TONIA**

OBS> A personagem Tonia é dublada por
 Lucy Guimarães.


**PARTE 1 /
video

**PARTE 2 /
video

**PARTE 3 /
video

**PARTE 4 /
video

**PARTE 5 /
video


**Marco Antônio dos Santos**

3 de dezembro de 2016

RELÍQUIAS DA DUBLAGEM (09): "À MEIA LUZ"



Na 2ª metade do século XIX, em Londres, numa mansão da Thornton Square, a famosa cantora de ópera, Alice Alquist, é misteriosamente assassinada, sendo o corpo encontrado pela sua jovem sobrinha, Paula.  Esta é, então, incentivada a passar algum tempo na Itália, na casa do melhor amigo de sua tia, o maestro Mario Guardi, um professor de canto.

Dez anos depois, Paula estuda canto com Guardi, enquanto é acompanhada pelo pianista francês, Gregory Anton.  Este, após cortejá-la por apenas duas semanas, lhe propõe casamento.  Não se sentindo segura em relação aos seus sentimentos, ela resolve se afastar por uma semana, tomando um trem para o Lago Como, onde pretende melhor pensar sobre a proposta.

Durante a viagem, senta-se ao lado da Srta. Thwaites, uma inglesa que adora romances e histórias de assassinatos misteriosos e que, por coincidência, mora na Thornton Square.  Na oportunidade, a Srta. Thwaites comenta o caso nunca desvendado da morte de Alice Alquist, tia de Paula.


Quando o trem chega a Lago Como, Paula é surpreendida com a presença de Gregory, que se antecipou e a aguarda na plataforma de desembarque.  Eles logo se casam e passam a lua-de-mel no Hotel del Lago.

A seguir, eles embarcam para Londres, onde se instalam na mansão da Thornton Square, que ela herdara da tia.  Entre os criados, acham-se Elizabeth Tompkins, que cozinhou para a família durante anos, e Nancy Oliver, uma jovem empregada que se insinuou para Gregory no minuto em que ele entrou na mansão.

Gregory logo ordena que a parte superior da mansão, onde se encontra o sótão, seja lacrada e explica à Paula, que esse ato é para o próprio bem dela, pois foi lá que sua tia foi assassinada.  A partir de então, Paula começa a perder coisas, ao mesmo tempo em que Gregory lhe diz que seus lapsos de memória estão começando a perturbar a vida social deles.  


Certa noite, quando se presume que Gregory esteja ao piano, num apartamento vizinho, Paula insiste junto à Nancy que a luz a gás de seu quarto está bastante fraca, ao que a empregada responde que, ao contrário, está tudo normal.  Seus medos aumentam quando ela passa a ouvir estranhos ruídos, como se fossem passos, vindos do sótão.

Na Thornton Square, 4 a 5 meses depois que os Anton foram morar lá, a Srta. Thwaites conversa com o detetive Cameron, interessado em obter informações sobre o casal de hábitos estranhos.  Ela comenta que eles nunca recebem visitas e que não saem, pelo menos ela, aumentando as suspeitas de Cameron em relação a Gregory.  Cameron, um grande admirador de  Alice Alquist, resolvera reabrir o caso não solucionado de seu assassinato, ao observar a semelhança entre a tia e a sobrinha.

Durante um concerto na casa do Lord e da Lady Dalroy, entre os convidados encontram-se os Anton e o detetive Cameron.  Na ocasião, Gregory recrimina sua esposa ao alegar que que ela roubou seu relógio e o colocou em sua bolsa.  Tal fato faz com que Paula se torne histérica, o que é observado por Cameron.  Já em casa, Gregory mostra-se impaciente e humilha a esposa por seu comportamento doentio em público.  Revela, ainda, que sua mãe morreu num manicômio, depois de apresentar uma série de sintomas de insanidade semelhantes ao que vem observando nela.


Cameron planta um policial, Williams, na Thornton Square, para observar tudo o que se passa na mansão dos Anton.  Em pouco tempo, Williams inicia um relacionamento com Nancy, numa tentativa de obter melhores informações sobre o que ocorre lá dentro.  Um dia, ao tomar café com ela, Williams toma conhecimento dos próximos passos de Gregory.  Com base em suas informações, Cameron planeja entrar na mansão à noite, quando Gregory deverá estar fora e Williams tentará manter Nancy afastada.

Conforme planejado, o detetive entra na mansão e encontra Paula à beira de um colapso nervoso.  Na oportunidade, ela lhe conta que a luz a gás de seu quarto torna-se diminuta, mas que ninguém nota isso, o que a faz pensar que está tendo alucinações.  Enquanto falam, a luz escurece, o que faz com que Cameron perceba que, provavelmente, estão procurando fazer com que ela se sinta à beira da loucura.


O detetive consegue abrir a escrivaninha de Gregory, onde encontra os objetos considerados perdidos por ela, bem como, uma carta escrita pelo assassino de sua tia, dois dias antes da mesma ser assassinada.

Quando Gregory retorna à mansão, é enfrentado por Cameron que, com a ajuda de Williams, termina dominando-o.  Antes de ser levado preso, Gregory confessa que nunca teve interesse em Paula e sim nas valiosas jóias deixadas por sua tia, que ele as procurava no sótão, onde todos os móveis dela eram mantidos trancados.

Paula é então consolada por Cameron, que lhe promete ajuda, amizade e um futuro promissor.


Produzido em 1944, "À Meia Luz" é um excelente e definitivo filme de suspense psicológico.  Baseado na peça 'Gas Light' do escritor inglês Patrick Hamilton, e realizado pelo cineasta George Cukor, o filme parte de um roteiro muito bem estruturado e retrata a história de um marido criminoso que tenta levar sua frágil esposa à loucura, a fim de por as mão numas jóias de valor inestimável.

Magnificamente fotografado em preto e branco por Joseph Rittenberg, "À Meia Luz" exibe todos os elementos visuais clássicos dos filmes-noir dos anos 40.

Ingrid Bergman está maravilhosa no papel da jovem esposa, Paula Alquist Anton, merecendo o Oscar ganho de Melhor Atriz.  Charles Boyer e Angela Lansbury também estão ótimos em seus respectivos papeis.  Angela, ns época com apenas 19 anos, nos brinda com grandes momentos, tornando-se uma peça importante na criação da atmosfera adequada.  

**ATORES PRINCIPAIS / PERSONAGENS / DUBLADORES**

**Charles Boyer (Gregory Anton):
 Waldyr Sant'anna**
**Ingrid Bergman (Paula Alquist): 

Neusa Tavares**
**Joseph Cotten (Brian Cameron): 

Rodney Gomes**
**Dame May Whitty (Senhorita Bessie Thwaites):

 Selma Lopes**
**Angela Lansbury (Nancy Olivier): 

Nair Amorim**
**Barbara Everest (Elizabeth Tompkins):

 Nelly Amaral**
**Emil Rameau (Maestro Mario Guardi):

 Magalhães Graça**
**Edmund Breon (General Huddleston): 

Dario Lourenço**
**Halliwell Hobbes (Senhor Muffin):

 Domício Costa**
**Tom Stevenson (Williams): 

Alfredo Martins**
**Heather Thatcher (Lady Dalroy):

 Neyda Rodrigues**
**Lawrence Grossmith (Lorde Dalroy): 

Ênio Santos**


*A DUBLAGEM DO ESTÚDIO TELECINE**

Na realidade, esta dublagem do estúdio Telecine,
 é uma redublagem muito bem realizada entre 1980 e 1983.
Pesquisamos com dubladores e pesquisadores de dublagem e verificou-se que a 1ª dublagem de "À Meia Luz" foi realizada pelo estúdio CineCastro, provavelmente entre 1965/1970, a qual desapareceu completamente.

Na 1ª dublagem, verificamos algo interessante: o dublador Waldir Sant'Anna participa dublando o ator Joseph Cotten, talvez por ser bem mais novo, e Jomeri Pozzoli dubla o ator Charles Boyer, o marido terrível.

Também, segundo declaração de dubladores, Glória Ladany teria dublado a atriz Ingrid Bergman.



Estas declarações podem conter algum equívoco, uma vez que esta versão da CineCastro desapareceu completamente durante a década de 1970, portanto há muito tempo.

Esta redublagem do estúdio Telecine no início dos anos 80, é extremamente bem realizada e o estúdio possuía a grande marca de dublar ou redublar antigos clássicos do cinema.

O elenco é primoroso e, sem dúvida, os destaques vão para Waldir Sant'Anna dublando o marido mentiroso, falso e dotado de grande poder de simulação. 
A interpretação de Waldir Sant'Anna foi perfeita, utilizando certos tons irônicos com a voz, a fim de enlouquecer a esposa.


*Waldir Sant'Anna participou das duas dublagens*

Na mesma sintonia está a dubladora Neuza Tavares, dublando a esposa, interpretada por Ingrid Bergman.
Neuza Tavares vai de uma interpretação pueril, passando por acreditar que está ficando louca e, totalmente senhora de si ao descobrir a verdade.
Um trabalho fantástico deixado por esta grande estrela da dublagem brasileira.


*Excelente interpretação de Neuza Tavares*

Rodney Gomes, além de dublar o ator Joseph Cotten, foi o responsável pela direção de dublagem e foi perfeito na escalação e na forma que conduziu os dubladores.



Não somos contra toda redublagem, uma vez que a realizada pelo estúdio CineCastro deve ter ficado inaudível, com diversos chiados.
Somos contra as inúmeras redublagens mal realizadas.
Aqui, a redublagem do filme "À Meia Luz" é digna de nossos aplausos pela qualidade e competência de todos os envovidos.

Seja como for, na ausência da 1ª dublagem, esta passou a ser a oficial, a qual foi exibida algumas vezes pela Rede Globo e no canal a cabo TNT até meados da década de 1990.

Para nós brasileiros, há a grata surpresa do dvd ter sido lançado também com esta dublagem, um fato raro, uma vez que a Warner é a distribuidora atualmente, a qual prefere lnçar tudo legendado.

Uma redublagem valiosa que, certamente, não possuímos mais atualmente.
Felizmente foi redublada no início da década de 1980 e não nos últimos anos, caso contrário muitos prefeririam assistir legendado.



"À Meia Luz", uma relíquia da dublagem brasileira.


**VAMOS REVER ALGUNS TRECHOS DE À MEIA LUZ"**

**VÍDEO 1**
video


**VÍDEO 2**
video


**VÍDEO 3**
video


**COLABORAÇÃO: Augusto Bisson,
           Waldir Sant'Anna e Celso Vasconcellos**


**MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS**