7 de fevereiro de 2014

CLÁSSICOS H.B. / AIC (02): WALLY GATOR / LIPPY E HARDY / TARTARUGA TOUCHÉ





Wally Gator era um desenho animado produzido por Hanna-Barbera Productions e apareceu pela primeira vez num segmento dentro do programa "The Hanna-Barbera New Cartoon Series" em 1962. Ele dividia o programa com mais dois segmentos: um com "Lippy the Lion & Hardy Har Har" (Lippy e Hardy) e também com "Touche Turtle and Dum Dum" (A Tartaruga Touché).

Wally Gator era um jacaré antropomórfico, completamente adaptado a sua vida no jardim zoológica e também com o convívio com os humanos. Mas, apesar disso, o que ele mais gostava era constantemente tentar contornar a autoridade do tratador e guarda do parque, o Sr. Twiddles.

Sua maior ansiedade era tentar escapar do zoológico e matar sua imensa curiosidade, para investigar a cidade, as pessoas, sempre que o Sr. Twiddles dava uma “vacilada”. Ele sempre arranjava uma forma criativa de escapar do zoológico e naturalmente sempre acabava entrando em sérios problemas, principalmente quando ia de encontro à algum ser humano, que obviamente não o entendia e tinha medo dele.

Diante disso, as reações eram adversas, pois as pessoas fugiam dele ou passavam invariavelmente a perseguí-lo por ele ter lhe causado algum tipo de dano. Mas assim que o Sr. Twiddles percebia que o Wally havia escapado novamente ele pacientemente ia a sua procura, antes que alguém o machucasse e o trazia para o zoológico novamente, geralmente arrastado e contra a vontade de Wally, é claro!.




Originalmente Wally foi vocalizado por Daws Butler e o Sr. Twiddles por Don Messiack e segundo alguns autores, Butler baseou a voz de Wally Gator, num tom oscilante, inspirado na voz do pateta que era vocalizado por Ed Wynn. O sucesso de Wally Gator, assim como de outros estrelas da Hanna-Barbera, também acabou sendo comercializada em todas as formas de possíveis de mercadorias como lancheiras, brinquedos, discos, e também apareceu num único livro chamado “Little Golden Book”.

O desenho animado de Wally Gator foi apresentado originalmente nos Estados Unidos, pela rede ABC, entre 3 de setembro de 1962 a 30 de agosto de 1963, num total de 52 episódios, de aproximadamente 25 minutos, em duas temporadas.


**A DUBLAGEM AIC**

Um dos desenhos mais lembrados pela extraordinária dublagem realizada em 1963/64.
Lima Duarte imortalizou Wally Gator com um falsete primoroso para as características do personagem.

Em conjunto com Roberto Barreiros, que dublou o sr. Twiddles, formaram uma dupla inesquecível, o que enriqueceu muito a qualidade do desenho.


A direção de dublagem de Older Cazarré, que atuava também para outros personagens que surgiam, além de outros dubladores de extrema qualidade como: Waldir de Oliveira, Gastão Renné, Luiz Orioni, Waldyr Guedes, Helena Samara, etc, deixaram uma obra imortal.

Wally Gator foi exibido por diversas emissoras no Brasil: TV Tupi, Record, Excelsior, Bandeirantes e SBT, sempre acompanhado de Lippy e Hardy e da Tartaruga Touché. Entretanto, desde que os direitos de exibição ficaram com a Turner, os segmentos foram desmembrados e foram exibidos, ocasionalmente, no Cartoon Network e Boomerang.

Infelizmente, a exibição pela tv a cabo não traz os desenhos remasterizados, porém já há todos os dvds lançados nos Estados Unidos, fato inexplicável em se tratando de uma produção de Hanna Barbera.


**REVENDO A DUBLAGEM DE WALLY GATOR**


**VÍDEO 1: O fazendeiro é dublado por Magno Marino**


**VÍDEO 2: A fantástica dupla: Lima Duarte e Roberto Barreiros**


****************************************

Lippy the Lion and Hardy Har Har era um desenho animado produzido pela Hanna-Barbera Productions que contava as aventuras de uma dupla, no mínimo muito estranha ou contraditória, mas por isso mesmo, muito engraçada, formada por um leão chamado Lippy, muito alegre, prá frente e sempre tendo idéias mirabolantes.

Lippy também vivia inventando algum novo esquema para roubar ou apoderar-se das coisas alheias e uma hiena chamada Hardy, que vivia deprimida, nunca ria e vivia se queixando da vida de "Eu sei que não vai dar certo...Oh, dia Oh! céus, Oh! azar..." ou algo parecido, que na expressão original em inglês era "Oh me, oh my, oh dear"


  
Hardy sempre participava com Lippy das suas traquinagens, porém   nunca concordava e sempre, de antemão achava que a coisa não ia dar certo. Era sempre para baixo, afinal com certa razão, porque toda vez que alguma coisa dava errado, caia ou explodia sempre primeiro nele. 

A série foi originalmente apresentada nos Estados Unidos, dentro do programa "The New Hanna-Barbera Cartoon Series", dividido seu segmento com outros dois: um com a Tartaruga Touché e outro com o jacaré Wally Gator.

O programa teve um total de 52 episódios exibido entre 3 de setembro de 1962, até 26 de agosto de 1963.



**A DUBLAGEM AIC**


Assim como ocorreu com Wally Gator, outra dupla de dubladores fizeram um trabalho magnífico: Luiz Orioni dublando o leão otimista, com um tom de voz empostado, porém também descontraído e trapalhão.

Hardy, a hiena pessimista, foi mais uma primorosa dublagem de Waldyr Guedes para desenhos. Sem dúvida, a voz criada por ele foi preciosamente bem realizada, o que justifica a ter sido denominado,  na época, como "o homem das mil vozes".
Neste desenho nem se imagina que foi o mesmo dublador de Orson Wells no filme "Cidadão Kane".


**REVENDO A DUBLAGEM DE LIPPY E HARDY**


**VÍDEO 1: Older Cazarré dubla o capitão.



**VÍDEO 2:



***********************************












Tartaruga Touché (The Touche Turtle) era um desenho animado produzido pela Hanna-Barbera Productions que mostrava as aventuras de uma tartaruga chamada Touché, juntamente com o seu fiel companheiro Dum Dum, um cão muito bonzinho e que tinha o seu o amigo como o seu herói. Ele é todo branco, usa um pequeno chapeuzinho e sempre anda de cachecol, faça sol ou chuva.


Já o nosso herói é na realidade uma tartaruga que usa um chapéu muito semelhante aos mosqueteiros da época da Revolução Francesa, usa uma espadinha toda torta, em forma de z em sentido longitudinal, que no máximo consegue cutucar os seus oponentes. Os dois sempre estão juntos e participam de diversas aventuras, em diferentes épocas.



Às vezes suas façanhas envolvem outros contos infantis como a de Moby Dick, por exemplo, e em outros dragões, princesas, serpentes, flores carnívoras e até bombas voadoras.



Não importa em qual era ou tempo ele esteja, Touché sempre atende um telefone que se encontra dentro de sua carapaça e vai logo para a ação em alto brado gritandoViva Touché!!! ou então somente Tartarugaa Touché!!! saindo velozmente e muitas vezes dando de cara com alguma coisa a frente.

Dum Dum, por sua vez, sempre quer acompanhar essa saída de Touché, se prepara e quando tenta sair, acaba caindo ou se atolando numa lagoa, entre outras. Toda vez que isso acontece ele resmunga que Touché ainda não ensinou essa pra ele ou então que ele estava quase conseguindo.


Não importa quem seja o vilão, Touché não tem medo e parte com tudo para cima do oponente e geralmente acaba levando a pior. Quando percebe que a coisa está ficando ruim pro lado dele, ele sempre aparece com alguma idéia mirabolante, que aparentemente resolve o problema, mas no fim acaba sempre sobrando para ele. Aí o jeito é dar no pé ou aguentar as consequências.


**A DUBLAGEM AIC** 

Assim como ocorreu com Wally Gator, a mesma dupla de dubladores fizeram um trabalho magnífico: Roberto Barreiros e Lima Duarte.

Touché teve uma voz perfeitamente caracterizada para todas as situações que o personagem enfrentava. Roberto Barreiros também era outro mestre em vozes para desenhos.

Já Dum-Dum, companheiro da Tartaruga Touché, teve um falsete de difícil identificação realizado por Lima Duarte. O próprio ator, em uma de suas poucas entrevistas sobre as dublagens de desenhos, revelou que foi o personagem que mais gostou de dublar, por ter sido extremamente diferente da sua voz, podendo criar, além das características da personalidade de Dum-Dum, que sempre o divertiam.

Sem dúvida, as dublagens de Wally Gator, Lippy e Hardy e Tartaruga Touché são admiráveis e realizadas, praticamente, pelo mesmo pequeno grupo de dubladores nos idos de 1963/64 na AIC.

Infelizmente, alguns episódios de A Tartaruga Touché perderam a dublagem original e foi inevitável a sua redublagem.


**REVENDO UM TRECHO DE A TARTARUGA TOUCHÉ**



**Parabéns a todos que participaram da dublagem destes três desenhos, pois demonstraram uma arte na interpretação com a voz inigualável e faz parte da nossa História da Dublagem !!


**Marco Antônio dos Santos**

0 comentários:

Postar um comentário