24 de junho de 2012

DUBLAGEM INESQUECÍVEL (15): PERDIDOS NO ESPAÇO / PARTE 3


A 3ª temporada de Perdidos no Espaço iniciou com o auge da audiência nos Estados Unidos e também no Brasil. Os roteiristas optaram por misturar um pouco do estilo das aventuras mais sérias da 1ª temporada, com o humor e a sátira em outros episódios.
Apesar de excelentes roteiros, a série sofreu (como tantas outras), um corte de verba na sua produção. É algo que foge à nossa compreensão ocorrer esse tipo de fato que, praticamente, as séries americanas acabam passando.

Primeiramente, se observarmos bem, foi construído outro cenário para o interior da espaçonave Júpiter II. Apesar de continuar a escada ligando os dois andares da nave, percebe-se claramente que não há mais nenhum buraco para a passagem, assim os personagens só utilizam o elevador. Também o andar inferior ficou bem mais reduzido, principalmente se nos remetermos à apresentação da espaçonave no 1º episódio da série.

Para reduzir mais os custos e dar mais agilidade aos roteiros, foi criada a cápsula do Júpiter II, a qual poderia ir numa velocidade mais rápida para investigar algum fato. Dessa forma, os Robinsons não se fixavam em nenhum planeta. As aventuras ocorriam no espaço, ou num planeta isolado. Isso fez com que se perdesse aquela sequência de fatos das duas temporadas anteriores, ou seja, nunca sabíamos como, de um episódio para outro, estavam num determinado lugar.


Observem, no lado externo da cápsula, a identificação J - 2A 277-270. J - 2A seria Júpiter 2A, e 277-270 era o número de telefone do escritório de Irwin Allen na Fox.

**Cápsula do Júpiter II**


Também a abertura da série ficou mais dinâmica, onde os personagens passam por um perigo e o novo narrador da AIC, Carlos Alberto Vaccari, faz uma contagem regressiva.



Houve também a extinção da estrutura utilizada, nas temporadas anteriores, da parada de cena no final e o narrador convidando ao telespectador para ver o que aconteceria com o personagem.
Nesta temporada, após o término do episódio, há um pequeno trailer com as cenas mais significativas do próximo, assim como há um narrador comentando as situações de perigo e pequenas cenas com os personagens falando.


**TEMAS DOS EPISÓDIOS DA 3ª TEMPORADA**

Os roteiristas procuraram um caminho bem distinto das temporadas anteriores, havendo uma mensagem embutida em muitos episódios.

Dessa forma, foram abordados temas diversos: as falhas do sistema prisional (Os Condenados), viagens no tempo (em pelo menos dois episódios), a solidão (Ataque à Terra), o amor na adolescência (O Inacreditável Zaibo), as injustiças da Justiça (Os Prisioneiros), contatos de extraterrestres com o nosso planeta (Visita a Um Planeta Hostil).

 Como sempre, há também comédia, suspense (As Criaturas da Névoa), batalhas (O Inacreditável Monstro Vegetal), ficção científica (Robinson Nº 2, Visita a Um Planeta Hostil e outros), romance e sentimento patriótico (O Inacreditável Zaibo), a vaidade feminina (Concurso de Beleza Cósmica), à repulsa à luta entre espécies inteligentes (A Noite do Caçador) e temas bizarros (A Revolta das Plantas). Nos divertimos até mesmo com o Robô embriagado por um mercenário (Alberto Monte) com sotaque espanhol em "A Princesa do Planeta Gelado".




**A PERDA DA DUBLAGEM DOS TRAILERS DA 3ª TEMPORADA**

Perdidos no Espaço era exibido semanalmente pela Tv Record, aliás o narrador sempre dizia "Na próxima semana... ou Na semana passada, como bem recordam" e os trailers dos episódios da 3ª temporada também chamavam a atenção do telespectador para a próxima semana.
Enquanto a série foi exibida pela TV Record, os trailers dublados e narrados por Carlos Alberto Vaccari foram todos exibidos.
Ao migrar, em 1970, para a TV Globo, a série era exibida 3 vezes por semana, sendo assim, a emissora começou a obstruir o áudio de "na próxima semana".

Com o decorrer do tempo, a Tv Globo, simplesmente, começou a reduzir o tempo de exibição dos episódios, cortando as paradas de cenas e também os trailers da 3ª temporada.
Literalmente, conforme nossas informações, esses trailers foram jogados no lixo e nunca mais retornaram em nenhuma outra emissora que esta temporada tenha sido exibida.

Quando Perdidos no Espaço foi exibido pelo canal a cabo Fox, causou grande surpresa a ausência dos trailers. Em contato telefônico com a emissora descobrimos que não havia a dublagem em português dos trailers, uma vez que a própria Fox, do Brasil, não tinha a matriz desses áudios.
Somente quando a 3ª temporada foi lançada em dvd é que os trailers surgiram, porém a distribuidora os legendou.


**Verifiquem um trailer de um episódio de Perdidos no Espaço, o qual infelizmente, perdeu a dublagem da AIC**



**CRISE NO ELENCO**


Apesar das tentativas de que os roteiros não se fixassem tanto em Will, o Robô e Dr. Smith, o público adorava o trio. Assim, Guy Williams começa a esboçar a sua insatisfação com o seu personagem, além de criticar os roteiros. Nos episódios finais de Perdidos no Espaço, ele desaparece no meio da aventura, devido à discussões com Irwin Allen.

 Por outro lado, os demais atores também começaram a concordar com Guy Williams e há casos muito curiosos como nos episódios "A Revolta das Plantas" e "A Enorme Sucata do Espaço" ( os dois últimos ), onde praticamente quase todos desaparecem no meio da história, ficando Will, o Robô e Dr. Smith.


**Episódio "A Revolta das Plantas"**


Mesmo a 3ª temporada terminando com essa pequena crise entre roteiristas e , principalmente, Guy Williams, a Fox e Irwin Allen não cogitavam o cancelamento da série que ainda conseguia atrair o público. Há, segundo especialistas em Perdidos no Espaço, dois roteiros dos episódios iniciais de uma 4ª temporada, os quais nunca foram produzidos.

Durante o período de férias, já quase no término, todos foram comunicados do cancelamento definitivo da série. Há também a hipótese de que o projeto da série Terra de Gigantes para ser produzida era de altíssimo custo, sendo assim a Fox preferiu apostar numa nova série, muito avançada para a época, e Allen acabou preferindo concentrar todos os custos e produção em Terra de Gigantes.

Dessa forma, a família Robinson ficou sem um episódio final que mostrasse o seu retorno ao planeta Terra, algo que ocorreu também com os personagens de Terra de Gigantes e com os cientistas da série O Túnel do Tempo que ficaram perdidos "em alguma parte dos infinitos caminhos do tempo".

Seja como for, Perdidos no Espaço, desde 1965, conseguiu trilhar um caminho de muito sucesso e até hoje ainda possui uma legião de fãs. No Brasil, a dublagem realizada pela AIC contribuiu significativamente para o sucesso alcançado nos últimos 45 anos após a sua estreia pela Tv Record.


**A DUBLAGEM DA 3ª TEMPORADA**


Nesta temporada, todos os dubladores estão com pleno domínio de seus personagens e Borges de Barros simplesmente demonstra cada vez mais o seu potencial para dublar Dr. Smith.
Apenas tivemos duas alterações: a 1ª foi a do narrador da abertura que é dada a Carlos Alberto Vaccari e a 2ª foi a substituição de Amaury Costa na dublagem do Robô.
Ainda recém chegado à dublagem, Gilberto Baroli assumi os últimos dez episódios da série. Certa vez, em uma palestra, Baroli disse que "quando eu estava tomando gostinho pela coisa, a série terminou...", mas foi a sua grande "porta de entrada na dublagem", dividindo a bancada com Helena Samara, Maria Inês, Borges de Barros e os demais.

Como Hélio Porto não estava mais na AIC, praticamente esta temporada foi dirigida por Ary de Toledo, o qual estava desde o início da série e possuía uma grande experiência em direção de dublagem.
Dentre os diversos dubladores convidados tivemos: Raimundo Duprat, José Soares, Waldyr Guedes, Magno Marino, João Ângelo, Flávio Galvão, Deise Celeste, Dráusio de Oliveira, Rita Cleós, Carlos Campanile, entre outros.


**PERDIDOS NO ESPAÇO E A DUBLAGEM DA AIC**

"Lembro-me que à época da 3ª temporada de Perdidos no Espaço, a AIC já não era o estúdio com exclusividade total sobre a dublagem de todas as séries da TV. Eu tinha muito medo de que outro estúdio fizesse a dublagem e tudo fosse mudado. Mas, felizmente, ela soube superar algumas dessas crises e, mesmo em suas últimas horas, manteve a dignidade e a qualidade construídas como o maior estúdio de dublagem de todos os tempos. Seu encanto superou as crises financeiras e o trabalho que realizou será eternamente lembrado. Felizmente a Fox brasileira teve o bom senso de manter esse legado quando lançou a série em DVDs. Borges de Barros lamentou a homenagem e o reconhecimento tardios, ressaltando também que uma convenção de lançamento e um brinde com os três boxes de DVDs para os dubladores ainda vivos na época representava uma recompensa muito pequena para uma obra de inestimável valor. Essa obra começou com a tradução inicial de Hélio Porto, a perfeita escolha do elenco, a sábia substituição dos dubladores quando foi necessário e os geniais "cacos" criados especialmente por Borges de Barros, como "lata de sardinha", "lata velha", "ignóbil paspalho", "paspalho enferrujado" e outros. Um gênio da dublagem podia nos inferir o mau humor de Moe, de os Três Patetas, e ao mesmo tempo nos fazer sentir toda a fragilidade do vilão afetado, nosso adorável Dr. Smith.

 
Já se vão mais de quatro décadas desde que Perdidos no Espaço e a Versão Brasileira AIC São Paulo nos encantaram. Felizmente, Deus fez justiça ao descaso dos empresários e hoje podemos curtir ambos no conforto de nossas casas, voltar ao tempo com o "Mercador do Tempo", viajar no Júpiter 2 e sonhar em voltar a uma Terra muito mais inocente que a de hoje, porém mais feliz. Um abraço para todos vocês, fãs de Perdidos no Espaço e da AIC São Paulo. Espero que este belo blog sobre as dublagens deste maravilhoso estúdio seja sempre "Uma nova viagem por galáxias desconhecidas", sejam elas de Perdidos no Espaço, Terra de Gigantes a Jeannie é um Gênio ou A Feiticeira."


**Texto de autoria de Rawlinson Furtado**

Episódio "O Planeta Prometido"


**REVENDO DOIS EPISÓDIOS DA
 3ª TEMPORADA**
OBS> Único episódio em que o Júpiter 2 aparece nitidamente voando*


*OBS> A partir deste episódio, Gilberto Baroli dubla o Robô B-9*




Veja na Parte 4:
*Perdidos no Espaço: uma obra de arte na dublagem*


**Marco Antônio dos Santos**

20 de junho de 2012

DUBLAGEM INESQUECÍVEL (14): PERDIDOS NO ESPAÇO / PARTE 2


Ao final da exibição da 1ª temporada, em meados de 1967, Perdidos no Espaço era um grande sucesso de público. Após a exibição dos 29 episódios iniciais, a Tv Record não conseguiu, imediatamente, iniciar a 2ª temporada, reprisando alguns episódios, que haviam dado mais ibope.

A 2ª temporada já foi produzida a cores. Irwin Allen relutou de produzí-la a cores, pois isso iria encarecer muito mais a produção e a série já era considerada uma das mais caras, por episódio realizado.
Mas foi o próprio Jonathan Harris que o aconselhou a que a série fosse colorida. Ainda não totalmente convencido, o ator Grouxo Marx (amigo de Jonathan Harris), foi conversar pessoalmente com Allen e seus argumentos o convenceram.



Assim, nesta temporada, temos muito mais explosões, lâmpadas coloridas, os figurinos apresentam muito mais detalhes e os roteiristas souberam explorar muito bem as cores, proporcionando episódios como : "A Estranha Dama Verde", "O Homem Dourado", "A Moça da Dimensão Verde" (no qual até Will também se torna verde) e praticamente, em quase todos as cores e explosões fortes não faltaram.



O início da 2ª temporada, no Brasil, trouxe a consolidação do sucesso da série e de sua legião de fãs. Os episódios iniciais foram marcados por muita ação e diferentes situações para os personagens.
Aproveitando a audiência, foi lançado um álbum de figurinhas, que trazia fotos dos primeiros episódios desta nova temporada.

**Álbum de figurinhas de Perdidos no Espaço**

Após o início da temporada, surge um patrocinador exclusivo para a série: "Ovomaltine", um alimento especial para a criançada, mas que poderia trazer um prêmio: uma cópia do Robô B-9.

**Robô promovido por "Ovomaltine" / Faltando diversos detalhes devido ao tempo**

Perdidos no Espaço conquistou, por dois anos consecutivos (1967/68), o prêmio Roquette Pinto como "o melhor programa estrangeiro da tv".

**Troféu Roquette Pinto**



Gradativamente, houve uma alteração nos estilos dos roteiros dos episódios, os quais foram abandonando o tom mais "sério" da 1ª temporada.

Essa mudança serviu para convertê-la num programa humorístico e juvenil que podia competir com a série Batman, tanto isso é real que logo na 2ª temporada, nos Estados Unidos, a série passou a ser apresentada no mesmo horário. Ambas as séries introduziram na televisão o humor "camp" uma estética que consistia em satirizar as situações e transformar as limitações em elementos de entretenimento.
Entretanto, Perdidos no Espaço, variava seus roteiros também com episódios do estilo original. Esta temporada é riquíssima em diversos tipos de enredos, personagens, o que a deixou ainda mais centralizada em Will, o Robô e Dr. Smith.

A estrutura de uma parada de cena com algum perigo, a fim de cativar o telespectador para o próximo episódio continuou.

**Episódio: "A Máquina Andróide**


**A DUBLAGEM DA 2ª TEMPORADA DE PERDIDOS NO ESPAÇO**

Nesta temporada houve uma alteração mais significativa dos dubladores fixos por razões diferentes. Também, há o fato da saída de Hélio Porto da AIC, que ainda dirigiu a dublagem em cerca de 90%.
De acordo com nossa pesquisa sobre a dublagem e conversando com os dubladores Helena Samara, Borges de Barros e, principalmente Amaury Costa, traçamos aqui um painel das alterações ocorridas.

**Professor Robinson: Astrogildo Filho continua a dublagem e ficou até o episódio nº 40, "A Oeste de Marte". Segundo seus colegas, sua saída ocorreu devido a um tratamento de saúde que necessitou realizar.
Hélio Porto o substituiu por Rebello Neto, que dublou o personagem a partir do episódio 41, "Uma Visita ao Inferno", até o final da série.

**Juddy e Penny:  Neuza Maria (Juddy) e Maria Cristina Camargo (Penny) ficaram dublando as suas personagens até o episódio 53: "A Revolta dos Andróides". Com a saída de Wolner Camargo da AIC, sua esposa (Neuza Maria) e sua filha (Maria Cristina Camargo) também se retiraram.
A partir do episódio 54, "Os Colonizadores", a dubladora Áurea Maria assume a dublagem de Juddy e Aliomar de Matos a de Penny. Ambas ficaram até o término da série.

**Ibrahim Barchini (narrador): Com a sua voz marcante para narrar, sobretudo, as paradas de cenas para o próximo episódio, Barchini ficou até o episódio 55, "Viagem através do Robô". Conforme seu filho nos relatou, ele assumiu o cargo de Oficial de Justiça, abandonando definitivamente a área artística.

Ainda sem uma definição de quem seria o novo  narrador das aberturas da AIC, os últimos 4 episódios foram apresentados por Emerson Camargo (episódios 56 e 57) e Antônio Celso (episódios 58 e 59).

Hélio Porto: Conforme nos relatou o saudoso dublador Amaury Costa, Hélio Porto se transferiu para o Rio de Janeiro para assumir o estúdio de dublagem TV Cinesom. Entretanto, por problemas particulares, Amaury Costa ainda continuou na cidade de São Paulo por alguns meses e dublando o Robô.
Segundo suas lembranças, o último episódio dirigido por Hélio Porto foi também "Viagem através do Robô".
Para encerrar a temporada, os 4 últimos episódios foram dirigidos por Ary de Toledo e José Soares, mas não conseguiu se lembrar quais seriam.

Os dubladores Helena Samara (Maureen), Ary de Toledo (Major West), Maria Inês (Will) e Borges de Barros (Dr. Smith) continuaram com a dublagem de seus personagens até o término de Perdidos no Espaço.

Nesta 2ª temporada, ao contrário da 1ª, há vários atores convidados e pudemos ouvir as vozes de Gessy Fonseca, Older e Olney Cazarré, José Soares, Carlos Alberto Vaccari, Rita Cleós, Arakén Saldanha, Waldyr Guedes, Carlos Campanile entre muitos outros.

 
**A DÍFICIL DUBLAGEM DE DR. SMITH**


Para os fãs, parece que a dublagem de Borges de Barros, além de ótima, foi muito fácil de ser realizada. Esta impressão vem, principalmente, a partir da 2ª temporada quando o Dr. Smith apresenta diversas facetas: vilão, bebê chorão, covarde ao extremo, implicante com o Robô e o Major West, muito ambicioso, etc, mas Borges de Barros sempre o dublou de forma tão espetacular que estava completamente à vontade com as alterações do personagem de um minuto para o outro.

 
No episódio "A Oeste de Marte", Jonathan Harris interpreta também o foragido da Justiça, Zino, uma espécie de "clone" do Dr. Smith, mas com uma voz totalmente diferente.
Esta foi mais uma grande façanha de Jonathan Harris e de Borges de Barros !

 
Em nossas conversas, o inesquecível dublador nos relatou que foi um dos personagens mais difíceis, justamente pela alteração de interpretação que Jonathan Harris encenava.

**Relacionamos aqui algumas respostas dadas por Borges de Barros:


** Como era dublar Jonathan Harris ?

R: "Um ator difícil, porque eu tinha que estar muito atento até nos olhares que fazia. Mudava de fisionomia a cada minuto, além de ser um ator, como direi, com estilo às vezes, também shaskperiano."
"Depois de algum tempo, com a prática, eu já sabia o que o Jonathan Harris iria fazer, mesmo assim, às vezes, ele me surpreendia e eu tinha que dublar novamente."

 **Como a dublagem era realizada em conjunto quanto tempo vocês levavam para dublar um episódio de Perdidos no Espaço ?


R: "Olha, mais ou menos de 4 a 5 horas, isso se não acontecesse algo. Uma vez, se não me engano, queimou uma válvula e não tinha para repor. Paramos e ficamos esperando o rapaz ir até à Santa Efigênia comprar uma. Pena que não ganhávamos por hora e sim por "anel". Quando ele chegou com a válvula, recomeçamos de onde tínhamos parado. Era assim !"

**Como foi o seu encontro com Jonathan Harris ?

R: "O programa da Hebe se chamava O Mundo É das Mulheres, quase igual ao que ela faz hoje, levando convidados. Então, descobriram que o Jonathan Harris queria conhecer o dublador do Dr. Smith no Brasil. Eu estava na AIC, um estúdio que ficava na Lapa, um tanto longe de onde ficava a Record. Mandaram buscar-me de lá, tivemos que parar a dublagem que eu estava fazendo. Seguraram o programa no ar até eu chegar na emissora. Quando eu apareci, foi uma festa. Realmente, não sei se foi talento ou se foi sorte minha fazer a voz do Dr. Smith. Foi um casamento feliz. Eu não entendo inglês, aprendi alguma coisa durante as dublagens, então o intermediário da conversa foi o Jô Soares, em começo de carreira. Depois a série parou de passar no Brasil. Aos domingos, era uma audiência enorme."

**O ENCONTRO DE BORGES DE BARROS E JONATHAN HARRIS**


**RELEMBRANDO A DUBLAGEM DA 2ª TEMPORADA DE PERDIDOS NO ESPAÇO:**

 
**VÍDEO 1 : episódio "A Moça da Dimensão Verde"
com a participação de Gessy Fonseca (Athena).


**VÍDEO 2: episódio "A Revolta dos Andróides"
com a participação de Gessy Fonseca (Varda) e Carlos Campanile.




**Veja na Parte 3:

**Acertos e desencontros da 3ª temporada**
**A perda da dublagem dos trailers da 3ª temporada**
**Perdidos no Espaço e a dublagem AIC**



**Marco Antônio dos Santos**

10 de junho de 2012

DUBLAGEM INESQUECÍVEL (13): PERDIDOS NO ESPAÇO / PARTE 1


Perdidos no Espaço foi exibido originalmente nos Estados Unidos pela
 rede CBS, entre 15 de setembro de 1965 a 6 de março de 1968, num total de 83 episódios, em 3 temporadas.

A história da série começa em 16 de outubro de 1997, dia de partida da espaçonave Júpiter II, que levaria novos colonos no final do século XX, a caminho de Alpha Centauri, em busca de outros locais habitáveis na galáxia e solucionar o problema de super-população da Terra.

Mediante provas telescópicas, os cientistas descobriram que um planeta que girava ao redor da estrela Alpha Centauri possuía todas as condições de vida necessárias para o ser humano. Com esta descoberta, o governo dos Estados Unidos decidiu enviar numa missão espacial tripulada pela família Robinson, composta pelo professor John (pai), pela bioquímica Maureen (mãe) e pelo seus três filhos: Juddy, Penny e Will, o caçula.

A viagem duraria 5 anos a bordo da nave Júpiter II, em estado de animação, tendo como piloto Donald West, que estava completamente capacitado para comandar a nave se caso ocorresse uma falha no sistema automático de navegação. 

West também era uma espécie de namorado de Juddy Robinson, uma relação que não era muito bem explicada, provavelmente devido à forte censura da época. Além dele, a nave contava com um robô chamado B-9, programado para auxiliar os tripulantes em tudo que fosse necessário. 

2 de junho de 2012

BORGES DE BARROS NA TELEVISÃO



Borges de Barros já era um nome conhecido no meio artístico dos programas de Rádio na década de 1950. Um artista com grande potencial para o humor, mas também para o drama, era sempre aproveitado em programas humorísticos e nas radionovelas.

Com a chegada da televisão ao Brasil, em 18 de setembro de 1950, as emissoras que foram surgindo na cidade de São Paulo: Tv Tupi (a pioneira, 1950), em seguida a Tv Paulista (em 1952) e depois a Tv Record (em 1953), todas foram buscar os produtores, diretores e artistas que faziam tanto sucesso nos programas de Rádio, pois não tínhamos realizado uma "escola para fazer tv". Sendo assim, a nossa programação da década de 50 e até meados da de 60 foi fortemente elaborada e inspirada na estrutura que o Rádio já possuía desde a década de 1930, inclusive diversos programas migraram do Rádio para a Televisão.


**1957: Estreia de Borges de Barros na TV Paulista**


A Tv Paulista foi uma emissora de grande destaque nos seus 12 anos de funcionamento, produzindo diversos tipos de programas, ainda com a nossa tecnologia precária e todos "ao vivo", pois ninguém imaginaria que um dia surgiria o famoso "vídeotape".

Borges de Barros logo foi escalado para o programa "A Praça da Alegria" criado por Manoel de Nóbrega, como o seu personagem "Caro Colega", um mendigo que dizia que vivia nas altas rodas da sociedade e era amigo de diversos artistas e políticos, um personagem que realizou durante quase 40 anos.

 Quando a Tv Paulista foi vendida  para o jornalista Roberto Marinho, em 1964, a fim de implantar a Tv Globo paulista, o programa migrou para a Tv Record, onde ficou durante anos fazendo sucesso semanalmente.
Desde o final da década de 1980, Carlos Alberto de Nóbrega apresenta "A Praça é Nossa", na qual Borges de Barros ainda participou por cerca de mais de 10 anos com o mesmo personagem.

**Borges de Barros com o seu personagem "Caro Colega"**

**Aqui, um pequeno resumo da história da Tv Paulista:

 "Pertencia inicialmente ao grupo do deputado Ortiz Monteiro. O diretor de teatro italiano Ruggero Jaccobi era então o superintendente da emissora. Com 3 câmeras, a TV Paulista funcionava precariamente num modesto prédio de apartamentos na rua da Consolação, quase esquina da Av. Paulista. Mas foi assim mesmo que nasceu a 1ª estação concorrente da pioneira Tupi. Vindo do Rádio carioca, Antonino Seabra dirigiu um dos primeiros seriados da tv brasileira: “O Invisível”, inspirado no célebre personagem “O Sombra”. Em 1953, Gilberto Martins programou “O Circo do Arrelia” para animar a garotada aos domingos, e a atriz Cacilda Becker foi contratada, impulsionando a produção de teleteatros, que viraram uma especialidade da TV Paulista.

 Em 1955, Ortiz vendeu o canal às Organizações Victor Costa, que compreendiam também as Rádios Excelsior e Nacional. No ano seguinte, a emissora mudou de endereço, instalando-se em um prédio de 5 andares na Rua das Palmeiras. Em 1957, Manoel da Nóbrega lançou seu famoso humorístico “Praça da Alegria”. Sílvio Santos também despontou na TV Paulista: a estreia do animador foi em meados dos anos 50, apresentando e participando de diversas atrações da emissora. Sem conseguir competir com a Tupi, a TV Paulista sucumbiu e mudou novamente de dono  e de nome. Vendida ao empresário Roberto Marinho em novembro de 1964, o canal foi reestruturado gradualmente para a implantação da TV Globo paulista, que a partir de 26 de abril de 1965 passou a transmitir já com o novo nome da emissora."

Na produção de teleteatros, Borges de Barros foi escalado, por diversas vezes, para interpretar personagens dramáticos, nos quais sempre se saiu magnificamente. Evidentemente, sua extraordinária capacidade para o humor ficou muito mais conhecida do público, mas este grande artista conseguia desempenhar o drama e a comédia de formas exemplares.


Essa enorme capacidade que possuía também para o drama se mostrou nas dublagens realizadas na AIC. Há inúmeros exemplos de atores dublados em séries de tv e, principalmente, em filmes nos quais mostrou esse potencial, como a dublagem do Quasímodo no filme "O Corcunda de Notre Dame" e a do ator Lee. J. Cobb no filme "Sindicato de Ladrões", entre diversas realizadas.


**Borges de Barros em mais um teleteatro da Tv Paulista**


**Aqui, um trecho da extraordinária dublagem para Dr. Smith em Perdidos no Espaço**

**Um artista do mais alto gabarito que deixou um enorme legado à História do Rádio, da Televisão e da Dublagem brasileira**

**Borges de Barros nasceu em 27 de março de 1920 e faleceu em 12 de dezembro de 2007**


**Fonte de Pesquisa: "Museu da TV Brasileira"**

**Colaboração/Fotos: Claudevan Melo**



**Marco Antônio dos Santos**