14 de dezembro de 2011

DUBLAGEM INESQUECÍVEL (12): O TÚNEL DO TEMPO



O Túnel do Tempo foi criado e produzido por Irwin Allen, através da Irwin Allen Production, em associação com Kent Productions, Inc. & Twentieth Century-Fox Television para a rede ABC, com músicas compostas por Johnny Williams. A série iniciou a sua exibição nos Estados Unidos, pela ABC, no dia 9 de setembro de 1966 e teve seu encerramento no dia 7 de abril de 1967, totalizando 30 episódios.
A decisão para o seu cancelamento, segundo algumas informações, teria sido a pouca audiência nos Estados Unidos.

 No mesmo período eram produzidas por Allen, simultaneamente, Perdidos no Espaço e Viagem ao Fundo do Mar. Assim, a fim de baratear os custos da produção, os roteiristas escreviam episódios onde pudessem utilizar o arquivo de filmes da própria Fox, retratando os diversos momentos históricos que os dois cientistas Tony Newman e Doug Phillips presenciavam.


Há também uma teoria de que O Túnel do Tempo foi uma série vítima da própria época que foi produzida, pois além de concorrer com as duas séries de Irwin Allen, no mesmo ano de 1966 estreavam na tv americana Jornada nas Estrelas e Batman. Assim, os americanos ao invés de olharem para os fatos históricos, preferiram a ficção científica e a fantasia de Batman. Nota-se, claramente, que depois de mais de 20 episódios, a ficção científica também entra na série, nos tentando mostrar talvez que seres de outros planetas sempre visitaram a Terra.
Entretanto, esse recurso utilizado por Allen não deu resultado positivo, sendo a série cancelada com apenas uma temporada.


***A  SÉRIE  NO  BRASIL***

No Brasil, ao contrário, a série desde a sua estreia, em meados de 1967, pela extinta TV Tupi, em horário nobre, fez uma legião de fãs. A série, juntamente com outras de Allen, percorreu diversas emissoras abertas durante cerca de 30 anos, com pequenos intervalos de interrupção.

Após ser exibida pela TV Tupi, imediatamente migrou para a TV Record, onde se uniu com as outras séries de Irwin Allen. A TV Record exibiu todas até cerca de 1971. No ano seguinte, O Túnel do Tempo já estava na TV Globo, onde foi exibido diversas vezes. Suas últimas exibições na TV Globo foram em 1977, estreando seu horário matinal e, em 1984, nas madrugadas de sábado para domingo.

Na mesma década, a série era exibida na extinta TV Rio e na TV Guaíba de Porto Alegre, praticamente ao mesmo tempo, entre 1986 e 1988. Em 1989, com o sucesso de Perdidos no Espaço, a TV Gazeta de São Paulo também traz O Túnel do Tempo, exibindo aos domingos por volta das 18h.

Em agosto de 1990, O Túnel do Tempo retorna para a TV Record juntamente com outras séries da década de 1960, inaugurando a sessão Manhã de Aventuras, a fim de preencher um horário difícil, no momento em que a emissora passava pelo processo de alteração do grupo proprietário. Aos poucos, a série foi sendo retirada, mas seus 30 episódios sempre foram exibidos e, em 1992, sai da grade de programação da TV Record.


Em 1993, a tv a cabo estava se instalando paulatinamente no Brasil. Assim, o canal Fox chega e traz todos os seus antigos sucessos de séries. Não poderia faltar O Túnel do Tempo, sendo exibido aos sábados e domingos por cerca de cinco anos consecutivos. Na mesma década, O Túnel do Tempo voltaria à TV Record, agora num horário vespertino de exibição.
Logo que o canal a cabo TCM estreou, foi uma das primeiras séries a serem exibidas.

O curioso é que nesses mais de 40 anos, a série sempre teve o seu público fiel, seus fãs, os quais hoje se valem de dvds caseiros para assistirem às aventuras dos dois cientistas "perdidos nos infinitos caminhos do tempo".

***A  DUBLAGEM  DE  O  TÚNEL  DO  TEMPO**

Praticamente, se perguntarmos aos fãs da AIC, todos dirão que todas as dublagens eram realizadas de forma primorosa. Entretanto, há alguns desenhos, filmes e séries de tv, onde a dublagem da AIC foi uma obraprima.

Uma dublagem realizada em 1967, até hoje possui um áudio nítido, claro, mixagem perfeita. Não há chiados. Tecnicamente continua como estreou na Tv Tupi nos idos de 1967.  Em segundo lugar, coube a Wolner Camargo escalar e dirigir os episódios iniciais. Segundo o dublador Carlos Campanile, foi através de uma indicação de Hélio Porto que fez com que ele ganhasse o seu primeiro protagonista em série.

A dublagem de Carlos Campanile, não mostra de forma alguma que ainda era um novato na profissão. Sua perfomace para Tony Newman é perfeita nos 30 episódios, para todas as situações em que o personagem vivenciou. Um trabalho de Mestre, para quem estava iniciando na dublagem. Evidentemente, Neville George foi extraordinário ao dublar Doug, interpretação e sincronia perfeitas também.


O fato de ter apenas 30 episódios, fez uma com que O Túnel do Tempo, tenha uma das dublagens mais uniformes da época. Não houve praticamente alteração dos dubladores fixos, apenas no finalzinho da série com a dubladora Judy Teixeira.

O que também é uniforme são os dubladores convidados para os episódios: Arakén Saldanha, Borges de Barros, Carlos Alberto Vaccari, Gessy Fonseca, Áurea Maria, Aliomar de Matos, Flávio Galvão, Wilson Ribeiro, Osmar Prado, Hugo de Aquino Júnior e outros, sempre eram alternados pelo diretor de dublagem.
O resultado foi altamente positivo, pois a qualidade artística não caiu em momento algum.

Podemos considerar que a dublagem de O Túnel do Tempo mostra o pleno apogeu do estúdio AIC, em qualidade artística e técnica também, ou seja, numa análise superficial, verificamos que o ano de 1967 traz dublagens exemplares, marcando toda a geração de séries, desenhos e filmes dessa época.

Sem dúvida, é o ano em que a a AIC apresentou talvez os seus melhores trabalhos de dublagem: aqueles que são inesquecíveis em vários aspectos.



ELENCO FIXO E SEUS DUBLADORES:

*James Darrew (Tony Newman): Carlos Campanile.

*Robert Colbert (Doug Phillips): Neville George.

*Whit Bissel (General Kirk): Batista Linardi.

*John Zaremba (Dr. Ray Swain): José Soares.

*Lee Meriwether (Dra. Ann MacGregor):
 Judy Teixeira (do episódio 1 ao 25) e 
*Gessy Fonseca ( do episódio 26 ao 30).

*Wesley Lau (sgt Jiggs): Magno Marino.

*Sam Groom (Jerry):
 Dênis Carvalho (a partir do episódio 3 e depois esporadicamente, até o personagem desaparecer).

*Narração da abertura: Ibrahim Barchini (até o episódio 26).

*A direção de dublagem inicial e escalação desses dubladores coube a Wolner Camargo.

Os dubladores, fixos ou convidados, sempre estiveram no mesmo nível de dublagem. Não se percebe, em momento algum, níveis de qualidade diferentes. Sem dúvida, a dublagem da série, como um todo, não possui qualquer pormenor que a desmereça, muito pelo contrário e, curiosamente, tínhamos um dublador estreando com um protagonista.


 
Em O Túnel do Tempo, evidentemente, Neville George e Carlos Campanile o são. Porém, a dublagem de Tony Newman nos comove mais, talvez o início da carreira, o tentar fazer o melhor para a dublagem nos direciona para Carlos Campanile como sendo a chave correta escolhida para dublar o personagem.

 A dublagem de Neville George é perfeita, talvez a sua experiência (principalmente no conhecimento da língua inglesa e até como diretor de dublagem), nos deixaram uma dublagem exemplar de Doug, entretanto sempre ao reelembrarmos O Túnel do Tempo, em primeiro plano vem a voz e a interpretação de Carlos Campanile.

Seu primeiro protagonista em série já nos demonstrava que teria uma extensa carreira na dublagem, com diversos trabalhos, mas sempre com a humildade necessária e profissionalismo.

A todos os dubladores que participaram desta série só temos a dizer "Muito Obrigado por este trabalho fantástico"

A Carlos Campanile damos os nossos Parabéns! pelo brilhante início, o qual se prolongou por toda a sua carreira!

**VAMOS REVER 3 EPISÓDIOS DE O TÚNEL DO TEMPO**


**VÍDEO 1**


**O pai de Tony é dublado por Hugo de Aquino Júnior**


**VÍDEO 2**



**VÍDEO 3**





**Fonte de Pesquisa:


* Entrevista dada por Carlos Campanile a este blog em 15/09/2008*


*Grades de programação de tv de jornais antigos*


*Acervo Pessoal*





**Marco Antônio dos Santos**

3 comentários:

luiz antonio disse...

Ótimo.O Campanile é um grande dublador,um dos meus ídolos.O Neville nem se fala...Ah,Marco,essas postagens me matam de saudade,parabéns.

Vanderlei Oliveira disse...

Maravilhosa postagem, Marco! Esta série, mesmo com toda a trama de ficção científica, trazia maravilhosas lições de história. Boa para nós, mas principalmente aos norteamericanos. Digo isso por que, coincidentemente, lendo um post de um amigo aqui do face, ele citou a total ignorância histórica e geográfica de uma enorme parcela do povo estadunidense. E não se referiu a parte mais pobre da população, mas aqueles que têm total acesso ao conhecimento. Quanto à dublagem, absolutamente perfeita. Junta-se pessoas dedicadas com talento agregado. O resultado só poderia ser maravilhoso! E mais uma vez, parabéns pela sua pesquisa e dedicação à essa arte que muitos ainda insistem em transformar em "fast-food". Tive o privilégio de me tornar amigo, ainda que virtual, de algumas pessoas que AMAM de verdade o que fazem e são estes que de fato ainda dão esperança à trabalhos maravilhosos. A eles, e sei que eles sabem quem são, meu abraço e meus agradecimentos também por fazerem nossos dias mais alegres ouvindo-os. E a você, Marco, por tudo que nos traz com sua dedicação, minha eterna gratidão e meu carinho.

Dora Pontes disse...

Adorei rever este post!!Muito obrigada por me trazer a minha infancia de volta mesmo q seja por pouco tempo!!!!

Postar um comentário