4 de junho de 2011

DUBLADOR EM FOCO (107): SÍLVIO NAVAS



Sílvio Navas nasceu na cidade de Santos -SP no dia 15 de março de 1942. Aos 12 anos anos de idade já estava praticamente decidido a ser ator e ao longo dos anos já foi  encenando algumas peças, mas sua grande oportunidade viria com a extinta TV Excelsior de São Paulo, na qual participou da linha de shows da emissora, auxiliando na produção de programas como: Show Riso e Adoráveis Trapalhões, programas de grande sucesso da emissora na época.


Dali foi um pulo para as suas primeiras manifestações nas novelas da emissora. A primeira foi Minas de Prata e depois viria Redenção. Ainda pequenos personagens, mas um certo dia a convite do saudoso Older Cazarré foi até a AIC assistir e tomar ciência do que seria dublagem. Ali, Sílvio, conforme já nos relatou em entrevista dada a este blog viu exatamente o que desejava: "poder interpretar sem ter os problemas de transpiração com os refletores de uma novela". E assim, se inicia a carreira de um nome desconhecido, mas que seria um dos mais profícuos dubladores do Brasil.

No início, ainda faz pequenos personagens, convidados em séries de tv como Daniel Boone, Batman, Lancer, Jornada nas Estrelas, mas eis que surgem dois personagens fixos em séries , ainda que de pequena participação: o marujo Patterson na série Viagem ao Fundo do Mar (substituindo Emerson Camargo a partir da 3ª temporada) e o Promotor de Justiça na série O Besouro Verde, além de ter dublado o personagem Maurice (pai de Samantha) na 5ª temporada da série A Feiticeira.

        
*Promotor de Justiça em O Besouro Verde*
  

Com o encerramento da AIC, Sílvio Navas participa de diversos estúdios, o primeiro foi a Cinecastro, onde além de dublar, iniciou também na direção de dublagem.
 Em meados da década de 1970 se transfere para o Rio de Janeiro, onde participou dos estúdios Pery Filmes e, principalmente Telecine, no qual dublou diversos filmes clássicos e foi a voz do ator Humphrey Bogart em grandes sucessos como: Casablanca, Horas de Desespero, O Falcão Maltês, etc.
 Com toda a diversidade de personagens, a dublagem de Humprhey Bogart ganhou sensivelmente com a interpretação de Sílvio Navas.

 


Por volta de 1976, ingressa no estúdio Herbert Richers. Nesse estúdio, foram centenas de dublagens realizadas em filmes, séries de tv e desenhos, além da direção de dublagem. Um de seus primeiros personagens em série de tv, que possui inúmeros fãs, foi o personagem estrelado pelo ator Michael Landon como Charles Ingals na série Os Pioneiros, onde o dublou as 5 temporadas que  foram exibidas no Brasil pelas emissoras abertas.

 Um grande trabalho de Sílvio, o qual confidenciou que o guarda com muito carinho na lembrança. Com roteiros muito bem escritos, inúmeras vezes os personagens nos levam à reflexão sobre a vida e às vezes até as lágrimas.

 Um grande sucesso, o qual já teve as 4 últimas temporadas dubladas, porém sem a presença de Navas.


                                          
** OS PIONEIROS **


No estúdio Herbert Richers dublou de tudo, convidados em séries, bandidos, herois, porém sempre teve uma veia genial para os falsetes em desenhos animados. É nesse gênero que surgem as dublagens: O Esquilo Secreto, Trapaleão, Dinamite, o Bionicão (fazendo o narrador), personagens em  He-Man, etc.

Mas uma obra de arte, em termos de dublagem para desenhos, viria com Os Smurfs, onde Sílvio faz Papai Smurf e o smurf Vaidoso. Com a continuidade do desenho, posteriormente, surgiu o personagem O Fazendeiro, o qual também o dublou, uma excelente direção de dublagem de um desenho complexo, devido a tantas vozes e falsetes, de Mário Monjardim.




**PAPAI SMURF E O VAIDOSO:

DUBLAGENS PRIMOROSAS**





 Durante a década de 1980, Sílvio Navas ainda participou de diversos filmes de sucesso como:

 Esqueceram de Mim, Esqueceram de Mim 2 -
 Perdido em Nova York e Meu Primo Vinny,
 o ator Kirk Douglas em Ambição Acima da Lei, Assim Estava Escrito, Homem Sem Rumo, Os Indomáveis - Draw e Sete Dias de Maio,
 Marlon Brando em O Poderoso Chefão (Primeira Dublagem), Bandoleiros - O Último Tango em Paris, O Selvagem e Um Novato na Máfia, 
John Goodman em Os Flintstones - O Filme, 
As Aventuras de Rocky & Bullwinkle, 
De Que Planeta Você Veio, 
O Maioral e O Poder da Corrupção, 
Fred Astaire em Bonita Como Nunca, Ver,
 Gostar e Amar e Inferno na Torre,
 a voz do Darth Vader que originalmente era feita por James Earl Jones nos filmes Star Wars - Episódio IV - Uma Nova Esperança (Vhs), Star Wars - Episódio V - O Império Contra-Ataca (Primeira Dublagem) e Star Wars - Episódio VI - O Retorno de Jedi (Primeira Dublagem), 
dublou Omar Shariff, Spancer Tracy, Eli Wallach e Charlie Chaplin nos filmes falados do mesmo, entre outros.

Em 1985/86 surge outro grande sucesso na linha de desenhos: o grande vilão Mun-Ha em Thundercats. Um dos trabalhos que até hoje possui inúmeros fãs espalhados pelo Brasil. Realmente, aqui com este personagem Sílvio se consagra definitivamente com o fãs de dublagem de desenhos e com os diversos grupos de fãs clubes existentes.

 Infelizmente, por motivos sempre obscuros e alheios à vontade do dublador e dos fãs, ele foi substituído em alguns episódios, mas que demonstram muito bem a grande diferença de encarnar um personagem tão cruel e aterrorizante como Mun-Ha.

 
**MUN-HÁ: DESEMPENHO BRILHANTE**


No mesmo período, por incrível que pareça, Sílvio Navas dubla o personagem Peter Tortton na série Macgyver. Quem poderia imaginar que era o mesmo dublador para tantos personagens distintos ao mesmo tempo ? A série teve 4 temporadas dubladas pela Herbert Richers e as 3 últimas pela VTI Rio. Este foi  um dos últimos trabalhos de Navas no Rio de Janeiro.
 Retornou para a sua cidade natal por volta de 1998, mais ainda dublou esporadicamente também em estúdios de São Paulo durante algum tempo.


                   **PETER TORTTON**                                         


Em Futurama substituiu Aldo César (que havia falecido) no papel de Bender, foi a voz mais conhecida do Robô, no desenho dos anos 90 da Família Addams foi o Gómez, em Dragon Ball Z foi segunda voz do Pai da Chichi o Rei Cutelo, tambem o fez na versão da TV Globo de Dragon Ball e no filme Dragon Ball Z - O Resgate de Gohan, entre muitos outros.
É inacreditável que um dublador com esta experiência em dublagem não esteja mais a exercendo, porém devido à filosofia de trabalho adotada pelas distribuidoras e estúdios de dublagem, fazem com que enormes talentos sejam esquecidos para enriquecer a dublagem.
 Isso ocorre atualmente com diversos outros nomes de destaque da nossa história da dublagem.

** A DUBLAGEM MAGNÍFICA DE CHARLES CHAPLIN **

É impressionante a falta de sensibilidade, de competência de muitas Casas de dublagem que não reconhecem as qualidades de um excelente profissional. Talvez nunca tenham assistido ao filmes de Charles Chaplin, dublados por Sílvio Navas, principalmente "O Grande Ditador", no qual, em seu discurso temos uma verdadeira interpretação até das fisionomias de Chaplin, num texto longo e repleto de pormenores onde o personagem vai se desnudando ao público. Um trabalho fantástico em todos os sentidos!

A AIC, segundo ele, foi a grande escola para muitos. Apesar das grandes dificuldades técnicas da época, havia grandes dubladores e muitos que ali deram os seus primeiros passos fizeram uma carreira que deixa um enorme legado à dublagem brasileira. 
Sílvio Navas é um grande exemplo dessa trajetória!

Sílvio Navas faleceu no dia 29 de julho de 2016, aos 74 anos.



**VAMOS RECORDAR SUA DUBLAGEM NA AIC**



**NA AIC: DUBLANDO O PAI DE SAMANTHA EM A FEITICEIRA**


**O MARUJO PATERSON DE VIAGEM AO FUNDO DO MAR**



**DUBLANDO UM ALIENÍGENA QUE CHEGA À CASA DE SAMANTHA AO LADO DE ROBERTO MARQUIS**



**FONTE DE PESQUISA: Entrevista dada a este blog em 06/11/2008 / Site Dublanet / Acervo Pessoal.





**Marco Antônio dos Santos**

1 comentários:

luiz antonio disse...

O Sílvio é ótimo,temos saudades de sua ótima voz, a voz incomparável e insubstituível de Charles Ingals.

Postar um comentário