28 de março de 2010

CONHECENDO ALGUMAS VOZES (02)





*LIA SALDANHA *


Outra dubladora praticamente desconhecida. Não há fotografias, informações sobre a sua vida profissional, etc.

Esteve bem no início da AIC. Participou do 1ºe 3º episódios do desenho Os Jetsons, sendo substituída por Isaura Gomes no 2º episódio e até o final da temporada, na dublagem de Jane Jetson.


Sua voz sempre foi muito confundida com a da atriz Márcia Real, por isso ela a substitui na 2ª temporada da série A Feiticeira, com a personagem Endora, mas dublou apenas 3 episódios: nº 01, 02 e 04 sendo substituída por Gessy Fonseca.


Participou também de algumas séries da época como Rota 66, Os 3 Patetas e Jeannie é um Gênio. Após a sua pequena participação em A Feiticeira não há informações sobre a sua carreira. Segundo seus colegas da época, Lia Saldanha já é falecida há muitos anos.


**Aqui, um trecho da série A Feiticeira, onde Lia Saldanha dubla Endora no início da 2ª temporada da série:




*************************************






Dublador que esteve presente no final da década de 1960 na AIC. Substituiu Marthus Mathias a partir da 4ª temporada de Os Flintstones. Também dublou o chefe dos Agentes da Uncle. Uma de suas participações espetaculares foi no episódio "O Viajante Astral" da 2ª temporada da série Perdidos no Espaço.

Dublou atores convidados nas séries Jeannie é um Gênio e Jornada nas Estrelas.

Por volta de 1968/69 se transfere para o estúdio TV Cinesom no Rio de Janeiro.

Através do dublador Hugo de Aquino Júnior conseguimos esta fotografia, infelizmente não há  maiores informações de sua biografia.

Dono de uma voz bem peculiar, Alceu Silveira deu um novo tom para o personagem Fred Flintstone. Atualmente, há fãs que gostam de ambos dubladores, embora quando Fred se irrite, fique um pouco mais moderado.

Era tio do dublador Neville George. Segundo informações de outros dubladores, Alceu Silveira faleceu em 1970 em decorrência de problemas cardíacos.

**Aqui, conseguimos um pequeno trecho , no qual Alceu Silveira dubla Fred Flintstone:



**OBS> Neville George dubla Barney Rouble**


*************************************



Filha do dublador Magno Marino, muitas vezes também é conhecida como Magda Marino. Esteve na AIC, juntamente com o seu pai, e participou de inúmeros desenhos da época. Há registros sonoros em Os Flintstones, Zé Colméia, Os Jetsons, Manda-Chuva, etc... Pela sua caracteristica de voz, fez diversas gatinhas no desenho Top Cat, mocinhas e princesas magrinhas.

Também foi a 1ª voz do computador da Enterprise. Sempre teve uma grande versatilidade para alterar a voz para os desenhos da época. Também participou de séries de tv, dublando convidadas em séries como Viagem ao Fundo do Mar, Perdidos no Espaço, Jeannie é um Gênio, A Feiticeira, etc.


Quando seu pai transferiu-se para o Rio de Janeiro, ela também se retirou da AIC. Consta que a partir de então, dedicou-se ao teatro, principalmente ao teatro infantil. Após algum tempo, ingressou na aviação civil,  sendo comissária de bordo, abandonando definitivamente, a carreira artística.


**Aqui, temos um pequeno trecho do episódio "Triskellion" da série Jornada nas Estrelas, onde dubla ao lado de Astrogildo Filho.



*************************************



Paulo Pereira começou a carreira como radioator na Rádio Nacional do Rio de Janeiro na década de 1950.

Entre seus inúmeros trabalhos em rádio está a obra "A Paixão de Cristo", realizada em 1959, na Rádio Nacional, onde fez algumas participações.

Em 1960, Paulo Pereira se transfere para São Paulo, sendo contratado pela Rádio Bandeirantes e, a partir daí, também inicia na dublagem no estúdio Gravasom, posteriormente AIC,  indicado pelo radialista e dublador Ronaldo Baptista. Também realizou algumas dublagens no estúdio Ibrasom.


Em 1963, logo após um breve período na AIC, retorna para o Rio de Janeiro, devido à sua saída da Rádio Bandeirantes. Nessa época, o gênero radionovela começa a ficar em crise devido à expansão da nossa tv.


No Rio de Janeiro, participou de diversos estúdios de dublagem: CineCastro, Riosom, TV Cinesom e Herbert Richers.

   Paulo Pereira afastou-se da dublagem no início da década de 1980, vindo a falecer em 1987, aos 72 anos de idade.

*Algumas dublagens realizadas:


-Diversos personagens na série Além da Imaginação (Gravasom).
-Alguns personagens no filme "Os Mistérios do Rosário" (AIC).
-Série Ivanhoé (AIC).- Duque Duralumínio (segunda voz) em A Princesa e o Cavaleiro.
- Joe (Dub Taylor) em Um Homem Chamado Cavalo.
- Cachorro Trambique em A Arca do Zé Colméia.
- Brutus em Popeye (Cinecastro).
- Dweedle em Cavalo de Fogo.
- Jamesy MacArdle (Wallace Beery) em Mares da China.


**Aqui temos o episódio "Pesadelo", da  série Além da Imaginação, dublado pelo estúdio Gravasom, no qual Paulo Pereira participa da dublagem:




*************************************


   
Esta dubladora ingressou na AIC, provavelmente, no 2º semestre de 1968. Analisando as dublagens realizadas por ela, não se verifica nada antes dessa época. Deise Celeste, segundo a opinião de alguns que a conheceram, veio do Rádio, de um programa musical, onde pessoas ofereciam melodias às outras. Dona de uma voz suave foi aprovada num teste para dublar também.

Participou em diversas séries da época, dublando atrizes convidadas. Há vários exemplos nas séries: Perdidos no Espaço, Terra de Gigantes, Lancer, Jornada nas Estrelas, A Feiticeira, Daniel Boone, Jeannie é um Gênio, etc. Dona de uma voz bem nítida e interpretação marcante, dublou muitos personagens em filmes também.

Sua passagem pela AIC, teria sido de 1968 a 1974.
Alguns afirmam que teria dublado também no estúdio Álamo na década de 1970. Mas a certeza absoluta só viria quando dublou a vilã Neifer em Comando Estelar Flashman na década de 1980.

Há muitos anos, praticamente desde a década de 1990, não obtivemos mais notícias sobre a sua carreira artística. Há indícios que a abandonou totalmente e se mudou para o litoral paulista.


**Aqui, um episódio da série Lancer com Deise Celeste, ao lado dos dubladores Sérgio Galvão, Wilson Ribeiro e Dante Ruy:



*************************************

Zaide Nacaratto nasceu em 14 de abril de 1928.
Sua atividade profissional sempre foi ligada à área administrativa, iniciando sua profissão nas extintas lojas Sears.

Iniciou na AIC já desde o seu surgimento, em 1962, contudo na área administrativa. Trabalhando diretamente com Mário Audrá, efetuava a folha de pagamento, dos anéis dublados, para os dubladores.

 Com a enorme quantidade de desenhos de Hanna Barbera que chegou, nos primeiros anos da década de 1960, devido ao seu timbre de voz forte, Older Cazarré a testou para dublar bruxas, mulheres duronas e, assim, fazia alguma ponta em série de tv ou desenho, porém não teve nenhum personagem fixo, participando de episódios dos desenhos: Zé Colmeia, Patinho Duque, Dom Pixote, Touché, Leão da Montanha, entre outros. Houve também uma pequena participação num episódio da 1ª temporada da série de tv Jeannie é um Gênio.


Paralelamente, nunca abandonou a área administrativa da AIC, embora, eventualmente, alguns diretores de dublagem a escalassem para uma pequena participação, como José Soares e Olney Cazarré.


 Eternizou a sua voz em algumas produções famosas como a Bruxa que queria sua vassoura consertada, mas não queria pagar os 50 centavos que valia em Pica-Pau ao lado de Olney Cazarré.


 Dublou durante muito tempo, nos episódios de Tom e Jerry, a voz da dona do Tom, a qual apareciam apenas as pernas.


Afastou-se da AIC no ano de 1970, trabalhando em outras empresas, sempre na área administrativa.


Zaide Nacaratto faleceu no dia 22 de março de 2015, aos 86 anos, devido às complicações de um tumor na garganta.


**Aqui, encontramos um desenho do Patinho Duque, no qual Zaide Nacaratto dubla u
ma mãe Canguru:


*************************************

Uma das dubladoras que iniciou a sua carreira na dublagem na AIC, por volta de 1969/70. No início, fez pequenos personagens e devido ao aprofundamento da crise financeira, que se instalava no estúdio, acabou não tendo personagens de destaque. Entretanto, seguiu a carreira em outros estúdios de São Paulo, como Álamo, BKS , chegando até os mais recentes. Atualmente, Neusa Azevedo está participando muito pouco de dublagens.

**Seus principais trabalhos:


-Change Marmeid em "Changeman"

-Galadriel em "O Senhor dos Anéis" (Trilogia)
-Ambarina em "A Pedra dos Sonhos"
-Wilma Flintistone em "Os Flintstones" (atual) e no filme de 1994.
-Lea Thompson em "De Volta para o Futuro 1, 2 e 3"
-Michelle Pfeiffer em "Deixe-me Ir" (DVD)
-Joan Lawson (Marla Pennington) em "Super Vicky"
-Purima em "Jaspion"
-Capitã Shimazu em "Cybercops"
-Helen Bell em "Sharivan"
-Helen Hunt no filme "Melhor Impossível.

** AQUI UM TRECHO DA SÉRIE SUPER VICKI, ONDE NEUZA AZEVEDO DUBLA A PERSONAGEM JOAN LAWSON.

 PARTICIPAM DRÁUSIO DE OLIVEIRA, SANDRA CAMPOS E CECÍLIA LEMES**



 ************************************


** HENRIQUE  OGALLA **


Henrique Ogalla nasceu no dia 12 de Dezembro de 1944, em São Paulo, Capital.Começou a carreira na televisão em 1956 aos 12 anos na Tv Paulista na novela Meu Filho, Meu Orgulho, no mesmo ano foi um dos apresentadores mirins do programa Zas-Traz ao lado de Mario Lúcio de Freitas, Maximira Figueiredo e grande elenco que na época tambem eram crianças.


Na AIC, ficou alguns anos, e iniciou dublando pequenos personagens até atores convidados. Participou muito das séries A Escuna do Diabo, Viagem ao Fundo do Mar, O Túnel do Tempo e Terra de Gigantes.

Por volta de 1969 se transfere para o Rio de Janeiro e participa de diversos estúdios, entre eles TV Cinesom, no qual dubla Robin na 3ª temporada de Batman. Assim, também participou da Cinecastro, Telecine, Herbert Richers e Cinevídeo.


Entre sua carreira estão muitos personagens principalmente em desenhos como Bobby de Caverna do Dragão, Alan de Josie e As Gatinhas, Gordinho em Bicudo, O Lobisomem, Andy Lebeau em o Anjinho da Guarda, Gurgle na animação Procurando Nemo, Príncipe Turan em Os Cavaleiros da Arábia, Zilly nas duas dublagens de Máquinas Voadoras, o castor Bingo em A Nossa Turma, Mickley em Corrida Maluca, Marlon em Jackson Five, entre outros.


Um personagem de grande sucesso foi Brandon Walsh, interpretado por Jason Priestley na série Barrados no Baile. 
Henrique Ogalla, devido a sua característica vocal, sempre foi escalado, principalmente, para desenhos e para dublar jovens.
Atualmente, está afastado da dublagem.

** Aqui, um trecho de um episódio da série Terra de Gigantes, no qual Henrique Ogalla dubla um jovem cientista**



*************************************************************

Arlete Montenegro nasceu na capital paulista, em 15 de outubro de 1938. Começou a trabalhar aos doze anos numa fábrica. Gostava de ouvir rádio e foi assim que aos 19 anos tomou conhecimento de um concurso da Rádio São Paulo, que se chamava: “Procura-se uma estrela”. Apresentou-se. Tão criança era, que nem tinha noção da responsabilidade.

Sua voz, sempre linda, sua dicção perfeita, foram logo notadas. Tirou primeiro lugar. Fez um contrato e começou a trabalhar o dia inteiro na rádio. Oswaldo Baroni, o diretor, lhe dizia: “Fique ouvindo como os outros fazem. Faça você também”. E assim foi fazendo novelas e mais novelas, na emissora líder da época. Não tinha consciência das coisas, mas logo ganhou o prêmio “Tupiniquim”, como melhor radioatriz. Ficou depois com o título de “Heroína do Quarto Centenário”, pois era o ano de 1954. Logo foi convidada para a TV Record. E já começou fazendo a Esmeralda do “Corcunda de Notre Dame”, uma cigana que dançava e era linda. E nunca mais parou de fazer televisão. E não ficou só aí.


Entrou também para a dublagem, sempre aproveitando o maior dom que Deus lhe deu: sua voz. E também foi para o teatro. Foi para TV Excelsior, que era a Hollywood da época. Fez : “As solteiras”, “Minas de prata”, A Muralha”, (a saga dos Bandeirantes), uma novela de total sucesso. Entre uma plêiade de astros, Arlete se destacava.


Em teatro fez: “Noites brancas”, “Ilha dos cabras”, “Dois na gangorra”, e muitas outras. Com o fechamento da TV Excelsior foi para a TV Tupi, e fez: “Divinas e maravilhosas”, “Meu rico português”, “Bom baiano”. E veio outra falência, outro fechamento de televisão. Foi para a TV Bandeirantes. Fez ainda novela na TV Globo.

Vindo da Rádio São Paulo, na época, o seu destino natural foi a AIC, onde devido à sua voz, dicção perfeita e interpretação, era sempre muito escalada para a dublagem das atrizes dos filmes, dos chamados "longa-metragens". Atrizes como Jane Fonda, Shirley Maclaine e inúmeras outras obtiveram para o telespectador brasileiro a voz de Arlete Montenegro. Era sempre muito escalada para a dublagem de grandes personagens em filmes.


** ARLETE MONTENEGRO NA DÉCADA DE 1960**


Com o crescimento do gênero novela, com a sua dedicação ao teatro, Arlete Montenegro se afasta um pouco da dublagem até surgirem os animes na década de 1980, onde fez participações.

Em 1993, a TV Record traz a série Assassinato por Escrito, onde a escritora detetive foi dublada por Sandra Campos em sua 1ª temporada. A atriz Angela Lansbury foi indicada diversas vezes ao prêmio Emmy, porém nunca o ganhou!!


** A 2ª VOZ DE JESSICA FLETCHER NA SÉRIE ASSASSINATO POR ESCRITO**

A emissora não demonstrou interesse em continuar a sua exibição, assim com a vinda do canal a cabo USA, já no final da década, optaram por exibir a série na íntegra, porém Sandra Campos já havia falecido. Dessa forma, Arlete Montenegro assume a personagem até a última temporada.



** Aqui, temos um trecho do filme "A Teia de Renda Negra", no qual Arlete Montenegro dubla a atriz Doris Day, pelo estúdio BKS:


Uma atriz de teatro, televisão e uma excelente dubladora, é a descrição dessa artista que passou também pela AIC.



**Marco Antônio dos Santos**

21 de março de 2010

ENTREVISTA COM JOÃO ÂNGELO


1 - Quais profissões você exerceu antes de ser dublador e como chegou aos estúdios AIC ?

R: Fiz de tudo um pouco. Fui "gravador de clichês" e trabalhei no Estadão. Depois fiz pequenos serviços aqui e ali até que fui trabalhar na antiga Lutz Ferrando onde fui laboratorista de fotografia. Depois passei a trabalhar na antiga WEMAG, fábrica de carros, na função de programador de produção onde fiquei por dois anos. Após a WEMAG fiquei saltando de trabalho em trabalho sem me fixar em nada. Só pra te dar uma idéia fui até servente de pedreiro.

Mas, durante todo esse período, sempre fiz teatro, que era a minha grande paixão, até que em 1963 comecei a fazer pontas e pequenos papeis na extinta TV TUPI.
Dali para a dublagem foi uma sequência lógica, mas antes de ir para a AIC passei pela IBRASOM, onde dublei por uns bons anos.

2 - Você se recorda da sua primeira dublagem ? Estava ansioso ?

R: Não me lembro da minha primeira dublagem, só que estava mais do que ansioso.

3 - Você teve alguns personagens fixos em séries de tv, os quais marcaram muito aquela geração. Um deles foi o hilário Dr. Bombay de A Feiticeira e o General Schaeffer de Jeannie é um Gênio. Como foram essas experiências com a comédia ?

R: Marco Antônio, a comédia nunca foi problema para mim. A verdade é que gosto demais desse gênero. Comecei minha carreira fazendo comédia.



4 - Outro personagem que foi bem realizado por você, foi o co-piloto Dan de Terra de Gigantes. Sua voz parecia que era do próprio ator. Como foi essa experiência ?

R: O Dan de Terra de Gigantes foi uma surpresa maravilhosa porque eu não esperava por ele. Fiz o teste e nunca mais liguei para o fato. Quando entrei no estúdio e me disseram o que era tive um pequeno susto pois, como disse acima, não esperava.Mas foi muito bom.



5 - Talvez o personagem mais inesquecível para todos foi a substituição de Neville George, dublando Dr. McCoy em Jornada nas Estrelas. Ali, você realmente foi um intérprete da voz que enalteceu a dublagem da série. Comente essa experiência.


R: Quando o Neville deixou de dublar foi uma surpresa bastante desagradável para nós, que convivíamos com ele. Um dia, entro no estúdio, era Jornada nas Estrelas e o diretor me manda dublar o McCoy. Tomei um susto. Disse que não ia dublar, quase discuti com o diretor, mas não teve jeito...: comecei a dublar o médico da nave espacial Enterprise.

Dublei, ao final, dois anos da série, depois não teve mais. Foi, sem dúvida, o trabalho mais marcante que tive em dublagem. Jornada das Estrelas foi um marco na história de séries para TV. Pode até ser que façam alguma coisa mais inteligente, mais dinâmica, mais variada, com melhores personagens e melhores histórias, mas eu tenho minhas dúvidas.


6 - O que representa para você a perda da dublagem original de Jornada nas Estrelas ? Descaso ou crime contra a arte ?

R: Na época em que foi dublada a série, o processo era bem diferente. Havia o que chamamos de magnético e o som captado em magnetico era depois aplicado diretamente na película. Com o tempo, é claro, esse som ficava ruim e o som de Jornada nas Estrelas ficou péssimo. Alguma coisa tinha que ser feita e, lógico, a série inteira foi redublada.
Nesse meio tempo, eu João Angelo, dublador do Dr McCoy envelheci e o Mccoy continuou tendo a mesma idade da época em que foi dublado por mim.
Não gostei nem um pouco da redublagem mas sou obrigado concordar que era o que tinha que ser feito. Me parece que foram guardadas algumas cópias da antiga dublagem da série.

7 - E o Murdoch Lancer ? Foi difícil substituir o Vaccari ?

R: O Vaccari e eu fomos bastante amigos e foi uma honra para mim substituí-lo no Murdoch. Não foi dificil, não.


8 - Naquela época, todos dublavam juntos. Você participou dublando convidados especiais em Daniel Boone, Perdidos no Espaço, Viagem ao Fundo do Mar e em filmes. Há algum caso engraçado ou curioso que tenha ocorrido ?

R: O que me lembro de mais engraçado na dublagem era o fato dos tradutores, na época, quando havia muito vozerio ou alguma fala solta, colocarem em lugar de texto apenas...: ad libitum. Ou seja...: à vontade. E os principiantes não tinham menor dúvida, falavam o Ad libitum com todas as letras e, é claro, o diretor ficava possesso, porque tinha que dublar novamente!

9 - A maioria dos dubladores considera que atualmente dublar sozinho houve uma certa perda de emoção e interpretação. Você concorda ? Por quê ?

R: Sem a menor sombra de dúvida houve uma perda muito grande. Acontece que o dublador, como todo artista, é extremamente vaidoso. Antigamente, quando iam todos juntos para a estante existia uma disputa bastante saudavel para mostrar quem era o melhor. Um dublador dava uma inflexão boa e o outro queria dar uma melhor e o terceiro outra melhor ainda. Hoje não, hoje o que interessa é a velocidade: quanto antes terminar, melhor.

10 - Depois do encerramento da AIC, você participou de programas na TV Cultura e em algumas novelas da TV Tupi. Como foi essa experiência ?

R: Eu ja havia trabalhado em TV antes de ir para a dublagem e sempre me agradou muito esse tipo de trabalho. Mas depois, por minha opção, acabei desistindo de televisão e fiquei só na
dublagem e no setor de áudio.

11 - O que representou para você, como profissional a AIC, e para a história da dublagem brasileira ?

R: A AIC foi a escola de dublagem no Brasil. Por ali passaram muitos e muitos atores que foram deixando a sua marca. Pra citar apenas alguns: Lima Duarte, Laura Cardoso, Dênis Carvalho (que, por sinal, foi o segundo capitão Kirk). Podemos dizer que a AIC foi o celeiro.

12 - Do que você sente mais saudades daquele período ?

R: O que mais me deixou saudade daquela época é que nós faziamos questão de qualidade. Um queria ser melhor do que o outro e isso fazia crescer a dublagem. Hoje não, hoje o que importa é o ganho. E a outra coisa é que na época nós éramos mais boemios e nossas noitadas era famosas.

13 - Atualmente, quais são as suas atividades profissionais ?

R: Continuo, basicamente, fazendo as mesmas coisas que fazia antes. Somente dublagem diminuiu, mas quanto ao resto... tudo bem.

14 - Deixe uma mensagem para os teus milhares de fãs espalhados pelo Brasil que continuam a admirar o teu trabalho.

R: Aí você me pegou Marco Antônio. Não sei o que dizer. Mas vai lá: continuem gostando de dublagem, pessoal!
Um grande abraço e o meu muito obrigado pelo interesse, Marco Antônio.

J. Angelo

***AGRADECEMOS A JOÃO ANGELO POR ESTE PEQUENO DEPOIMENTO, O QUAL SÓ FOI POSSÍVEL ATRAVÉS DA INTERMEDIAÇÃO DO AMIGO MAURÍCIO CAMPOS***


**Relembrando João Angelo dublando o personagem Dr. McCoy em Jornada nas Estrelas:



**Na série Lancer, dublando Murdoch**

**Marco Antônio dos Santos**

15 de março de 2010

GUIA DE DUBLAGEM (02): PERDIDOS NO ESPAÇO / 1ª TEMPORADA



A série Perdidos no Espaço (1965-1968), produzida por Irwin Allen, teve 83 episódios distribuídos em 3 temporadas. Uma das séries que possui uma legião de fãs até hoje.

No Brasil, a série estreou no dia 4 de dezembro de 1966, às 18h30, pela TV Record onde ficou até 1970.

Nesse mesmo ano, migrou para a TV Globo onde ficou até 1977, entretanto, a partir de 1972, os episódios da 1ª temporada foram abandonados com o advento da tv a cores no Brasil. A série prosseguiu a sua caminhada, ainda sendo exibida nos últimos anos da extinta TV Tupi. Já a partir do início da década de 1980 é exibida pela TV Bandeirantes. No meio da década de 1980, fica algum tempo fora do ar, mas em 1988 retorna pela TV Gazeta de São Paulo, exibindo a 1ª temporada há tantos anos fora do ar. Na mesma época, a TV Guaíba de Porto Alegre exibe os episódios coloridos.

Em 1990, a TV Record retorna com Perdidos no Espaço no período matutino. Com a chegada do canal a cabo Fox, em 1993, são exibidos os seus 83 episódios durante cerca de 7 anos consecutivos. Finalmente, em 2004, sai o primeiro box em DVD da série, única de Irwin Allen lançada pela Fox.

O sucesso da série, sem dúvida alguma, foi muito valorizado pela maravilhosa dublagem realizada pela AIC. A tradução e direção de dublagem de Hélio Porto e a espetacular performace de Borges de Barros, dublando Dr. Smith, fizeram com que Perdidos no Espaço ganhasse, por dois anos consecutivos, o extinto prêmio Roquete Pinto, como melhor programa estrangeiro.

Aqui, relacionamos os dubladores fixos da 1ª temporada e os dubladores que participaram de cada episódio.




**DUBLADORES FIXOS DA 1ª TEMPORADA**


*Guy Williams (Prof. Robinson): Astrogildo Filho.

*June Lochart (Maureen): Helena Samara.

*Mark Goddar (Major West): Ary de Toledo.

*Marta Kristen (Juddy): Neuza Maria.

*Angela Cartwright (Penny):
*Maria Cristina Camargo.

*Billy Mumy (Will Robinson):
Magali Sanches (do episódio 1 ao 22) e Maria Inês (do 23 até o final)

*Jonathan Harris (Dr. Smith): Borges de Barros

*Robô B-9:
José Soares (do episódio 1 ao 3) / Jorgeh Ramos (do episódio 4 ao 19) / Amaury Costa (a partir do episódio nº 20)

*Narração e abertura: Ibrahim Barchini.

*Direção de dublagem: Hélio Porto e Ary de Toledo.


***DUBLADORES CONVIDADOS / 29 EPISÓDIOS**




01 - O CLANDESTINO TEIMOSO

*Narrador do Controle Alfa: Waldyr Guedes.

*Narrador da tv, descrevendo o Júpiter 2: Ribeiro Filho.

*Presidente dos Estados Unidos: Magno Marino.

*Soldado atacado por Dr. Smith: Osmar Prado.





02 - A NAVE FANTASMA

*Narrador da tv: Jorgeh Ramos.




03 - ILHA NO CÉU

**Não houve atores convidados**




04 - TERRA DE GIGANTES

**Não houve atores convidados**

OBS> A partir deste episódio, Jorgeh Ramos assume a dublagem do Robô B-9.




05 - MAR REVOLTO

**Não houve atores convidados**





06 - HAPGOOD ESTEVE AQUI

*Warren Oates (Hapgood): Hélio Porto.



07 - UM ESTRANHO AMIGO

*Voz do sr. Ninguém: Wolner Camargo.

Obs: A partir deste episódio, Ibrahim Barchini é substituído por Oswaldo Calfat na narração e abertura da série.



08 - INVASORES DA 5ª DIMENSÃO

*Alienígena 1: Dráusio de Oliveira.

*Alienígena 2: Waldyr Guedes.


09 - O ESTRANHO OÁSIS

**Não houve atores convidados**



10 - OS SERES ELETRÔNICOS

Obs: Apesar de haver atores convidados, estes não falam, de acordo com as características das personagens.





11 - A LÂMPADA DE ALADIM

**Não houve atores convidados**

Obs: A partir deste episódio Ibrahim Barchini retorna para a narração e abertura da série.


12 - A MINI ESPAÇONAVE

**Não houve atores convidados**



13 - O CÃO DESAPARECIDO

**Não houve atores convidados**





14 - O ATAQUE DAS PLANTAS MONSTRUOSAS

**Não houve atores convidados**





15 - VOLTA À TERRA


*Reta Shaw (Tia Clara): Judy Teixeira.

*Xerife: José Soares.

*Jornalista: Dráusio de Oliveira.

*Davay: Olney Cazarré.

*Responsável pelo orfanato: Gessy Fonseca.

*Telefonista: Lídia Costa.

*Dono do armazém: Older Cazarré.

*Membro do conselho da infância: Laura Cardoso.

*Garoto 1 (perto do ônibus): Osmar Prado.

*Garoto 2 (de óculos): ????




16 - O ESTRANHO COLECIONADOR (PARTE 1)


*Michael Rennie (Colecionador): Arakén Saldanha.



17 - O ESTRANHO COLECIONADOR (PARTE 2)

*Michael Rennie (Colecionador): Arakén Saldanha.

*Líder do colecionador: José Soares.



18 - O PIRATA DO CÉU

*Albert Salmi (capitão Tucker): Hélio Porto.

*Papagaio eletrônico: Magda Medeiros (falsete).





19 - O FANTASMA DO ESPAÇO

**Não houve atores convidados**



20 - A GUERRA DOS ROBÔS

*Robotóide: Emerson Camargo.

*Líder do robotóide: Carlos Leão.

OBS> A partir deste episódio, Amaury Costa assume a dublagem do Robô B-9.



21 - O ESPELHO MÁGICO

*Michael J. Pollard (garoto do espelho): Osmar Prado.





22 - O DESAFIO

*Michael Ansara (Ruler): Wilson Kiss.

*Kurt Russel (Quano): Maria Inês.


23 - O MERCADOR DO ESPAÇO

*Torin Tacher (mercador): Rolando Boldrin.


OBS> A partir deste episódio, Maria Inês assume a dublagem de Will Robinson até o final da série.




24 - SUA MAJESTADE SMITH

*Kevin Hagen (Líder alienígena): José Soares.

*Liam Sullivam (alienígena 2): Rebello Neto.



25 - OS SEMEADORES DO UNIVERSO

*Mercedes McCambridge (Sybilla): Judy Teixeira.

*Sherry Jackson (Effra): Rita Cleós.



26 - NEM TUDO QUE RELUZ

*Werner Klemperer (Boliz): Waldyr Guedes.

*Larry Ward (Ohan): Aldo César.

*Voz alienígena que induz Dr. Smith: Wilson Ribeiro.



27 - A CIVILIZAÇÃO PERDIDA

*Royal Dano (Major Domo): Aldo César.

*Kin Karath (Princesa): Maralise Tartarine.





28 - UM PASSEIO À SEXTA DIMENSÃO

**Não houve atores convidados**




29 - A VOZ DO ESPÍRITO


*Voz do alienígena: Wilson Ribeiro.







**Marco Antônio dos Santos**