8 de setembro de 2010

DUBLADOR EM FOCO (93): WOLNER CAMARGO




Wolner Camargo nasceu a 25 de dezembro de 1923. Iniciou a sua carreira no Rádio na década de 1940, no Rio de Janeiro. Foi radioator, locutor e locutor esportivo. Entre as emissoras pela qual passou está a Rádio Clube de Marília e a Rádio Globo, sendo desta última chefe do departamento esportivo. Também trabalhou na Rádio Tupi como narrador esportivo.

Em seu livro (inédito) "Na Pele do Lobo", o saudoso radialista, radioator e dublador Ronaldo Baptista relata como foram aqueles anos da 2ª metade da década de 1950 e como Wolner Camargo, seu grande amigo, veio do Rio de Janeiro até chegar ao estúdio Gravasom:


**Coronel Steve Zodiac: dublagem de Wolner Camargo**


"Vamos rememorar este fato importante.


Como disse, a Rádio Bandeirantes acabara de arrendar a Rádio Emissora de Piratininga, que havia mudado para a rua 24 de maio, e o Edson Leite iria implantar ali mais uma emissora especializada em rádio-novelas, para concorrer nessa coqueluche das mulheres, com a Rádio São Paulo. Liberando-me para esta emissora, eles estariam remando contra a maré, uma vez que estavam acabando de contratar toda a nata do departamento de rádio-teatro, para a Piratininga. Foi o que realmente aconteceu.

Assim, o diretor de radioteatro da São Paulo, Augusto Baroni, sua esposa veterana Leonor Navarro, sua filha novelista Nara Navarro, o sonoplasta Benito di Nardo, seu marido, Neuza Maria, e muitos outros, migraram para a nova emissora, juntando-se também aos novos contratados que vieram do Rio de Janeiro, como Wolner Camargo, Ênio Santos, Sonia de Moraes, alguns outros daqui mesmo, remanescentes da Piratininga. Completando o elenco, os contratados do “cast” fixo da própria Bandeirantes. Quer dizer: uma verdadeira legião estrangeira que teria que se entrosar e dar conta do recado. A nova leva trouxera também o locutor Odair Baptista, o jovem mineiro que já chegou amigo de todo mundo.

Porém... A vida artística é muito incerta, insegura mesmo, especialmente num país pouco desenvolvido como o nosso. Então, ou porque não tinha que ser... ou porque a Piratininga não tinha o carisma e a audiência viciada que tinha a Rádio São Paulo, ou a tradição naquela área, o fato é que depois de algum tempo a coisa começou a dar pra trás. E a Bandeirantes acabou, após alguns percalços, terminando com aquele arrendamento.

 O elenco foi rapidamente dissolvido e cada um acabou voltando para a sua vidinha. Aquele sonho havia acabado infelizmente. Tão depressa como começou.
Nós voltamos para a nossa casa, a BAND. E os outros se dividiram. Alguns voltaram para o Rio de Janeiro. E outros, como Wolner Camargo e Neuza Maria, passaram a se dedicar às dublagens de filmes e seriados.

 Atendendo a seu pedido, levei o Wolner  Camargo para a Gravasom, onde continuou mostrando o seu talento e se tornando um dos seus diretores de dublagem, um pouco mais tarde.
De lá, acabou galgando através de sua inteligência e personalidade postos muito mais altos. Wolner Camargo era uma pessoa envolvente e séria, casado com a radioatriz e depois também dubladora Neuza Maria."

( Texto de autoria de Ronaldo Baptista )
 



A dublagem ainda dava seus primeiros passos com o pioneirismo do estúdio Gravasom. Glauco Laurelli era o Diretor Artístico enquanto que Wolner Camargo além de algumas dublagens já era diretor de dublagem devido a sua experiência com a radionovela.


Em meados de 1962, Glauco Laurelli, após dar o pontapé inicial na dublagem brasileira, prefere se dedicar à produção de filmes. No mesmo período, a Gravasom, através de um contrato com a Columbia Pictures, renova todo o seu equípamento na área da dublagem. Wolner Camargo passa a ser o Diretor Artístico do novo estúdio, que altera seu nome para AIC. Segundo alguns dubladores, o nome "Arte Industrial Cinematográfica São Paulo" foi sugestão do próprio Wolner Camargo. A idéia era fazer uma dublagem artística em rítimo industrial.


A filosofia era meio ousada para a época, mas foi exatamente que Wolner Camargo conseguiu implantar, alterando o método da dublagem, o qual foi copiado por outros estúdios que surgiram. Basicamente, o método de dublagem por "anéis" ou "loops" é mantido até hoje, mesmo sendo apenas um dublador na bancada. Também houve a necessidade de ampliar o quadro de dubladores e convida diversos radioatores para integrarem o elenco da AIC.


**ROD TAYLOR:  ASTRO DA SÉRIE HONG KONG**

 
Com uma voz perfeita, nítida, e excelentes interpretações nas dublagens, Wolner Camargo esteve presente dublando e também dirigindo. Aqui uma pequena relação de algumas dublagens que conseguimos encontrar.

**Rod Taylor (Glenn Evans) na série Hong Kong, talvez a 1ª dublada pela AIC.
**Capitão Steve Zodiac na série de animação inglesa Fireball XL-5.
**Eddi Albert (Oliver Wendell) na série O Fazendeiro do Asfalto.
**Jim Redigo na série Império do Oeste.
**Participações no desenho Os Jetsons.
**Inúmeros personagens na série Cidade Nua, a qual também dirigiu.
**Dublagens em filmes, muitos infelizmente redublados. Destacamos a  dublagem do ator James Withmore no filme "Melodia Imortal" ao lado de Ronaldo Baptista.
**Voz do gravador na 1ª temporada da série Missão Impossível.
**Diversas participações dublando convidados nas séries: Viagem ao Fundo do Mar (1ª e 2ª temporadas), A Feiticeira, Perdidos no Espaço e O Túnel do Tempo (série que também dirigiu cerca de 90%)


**JIM REDIGO: DUBLAGEM DE WOLNER CAMARGO**


Segundo nosso banco de dados, é no ano de 1967 que Wolner Camargo se retira da AIC por não concordar com os rumos que a empresa estava seguindo. Assim, sua esposa Neuza Maria também se retira do estúdio. Os dubladores Maria Cristina Camargo e Emerson Camargo, filhos de seu 1º casamento, também deixam a AIC.

Wolner Camargo vai para o Rio de Janeiro e lá, não temos certeza de que tenha realizado algum trabalho em dublagem, mas sim ligado a alguma distribuidora de filmes no Brasil.


**CANNON: A VOZ PERFEITA PARA O DETETIVE**


Em 1972, retorna para São Paulo para dublar novamente pela AIC o personagem Cannon, personagem de grande sucesso no início da tv a cores no Brasil. Após a 1ª temporada, a série passa a ser dublada pelo estúdio Cinecastro, já com a sua filial em São Paulo.

Após a dublagem de Cannon, Wolner Camargo não retornou mais às bancadas de dublagem, segundo informações que obtivemos foi um dos representantes da distribuidora Viacom no Brasil.
Irmão do locutor esportivo Doalcey Bueno de Camargo (falecido em 2009), Wolner Camargo faleceu em 1997, aos 73 anos, deixando um grande legado para a dublagem brasileira.
 

**Vamos relembrar algumas dublagens de Wolner Camargo:


**LOGOTIPO DA SÉRIE CIDADE NUA**



**VÍDEO 1/  NA SÉRIE IMPÉRIO DO OESTE: JIM REDIGO**
video


**VÍDEO 2 / NO FILME "MELODIA IMORTAL" DUBLANDO O ATOR JAMES WITHMORE AO LADO DE RONALDO BAPTISTA**
video


**VÍDEO 3 / A VOZ DO DETETIVE CANNON**
video





**Fonte de Pesquisa: Arquivo Pessoal (depoimentos de diversos dubladores).

Livro: "Na Pele do Lobo" de autoria de Ronaldo Baptista.

**Marco Antônio dos Santos**

2 comentários:

Philippe disse...

Wolner Camargo também dublou George Nader na série Shannon para TV, que foi ao ar entre 1961 e 1962.

Jorge Robson Andrade disse...

Wolner tb foi o narrador na versão original da AIC de "Nacional Kid".

Postar um comentário