24 de setembro de 2010

3ª ENTREVISTA COM BORGES DE BARROS



ESCLARECIMENTO: Em 23/06/1989 conversamos com Borges de Barros por quase 3 horas. Das diversas questões formuladas, Borges sempre as explanava com diversos detalhes. Na época, gravamos em fita cassete o que originou a entrevista publicada neste blog em 21/09/2008.
Naquela entrevista, procuramos traçar um painel do excelente dublador e restringimos aos assuntos gerais da sua carreira e, principalmente, sobre a dublagem do personagem Dr. Smith da série Perdidos no Espaço.
Entretanto, muitos outros detalhes se apresentaram, principalmente sobre Os 3 Patetas. Assim, fizemos toda uma releitura de suas declarações, fixando-nos aqui sobre a sua participação, exclusivamente, nessa comédia clássica.
Para aqueles que conheceram Borges de Barros pessoalmente, sabem o quanto ele tinha para nos contar e, muitas vezes, os assuntos se misturavam. Depois de alguns meses, separando as suas respostas sobre a série, postamos aqui uma "Conversa com Borges de Barros sobre Os 3 Patetas", as quais são o fruto de um verdadeiro "querido contador de histórias da AIC".


1 - Borges, como foi a escalação para Os 3 Patetas ? Você se lembra quando começou a dublagem ?



R: Olha, parece impressionante, mas eu me lembro exatamente do ano em que começamos a dublar: 1965. Bom, eu nem preciso dizer o motivo, porque andando por São Paulo se via soldado em a toda a parte. E como dizem que há coisas que gente nunca esquece a primeira vez ...rs,rs,rs


Sobre a escalação foi algo muito simples. Naquela época, não tinha essas frescuras de hoje, da autorização total dos "managers" lá dos Estados Unidos, então o Hélio Porto nos avisou que estava chegando essa comédia (eu não me lembro qual foi a emissora que adquiriu e pediu a dublagem), mas ele disse que se fosse sucesso a emissora compraria mais episódios. A escalação dos dubladores foi do próprio Hélio Porto, chegou para mim e disse "Vê como é esse cara, ranzinza, bate nos outros, nervoso , não tem paciência", o nome dele é Moe e você fica com ele".


**MOE: Fantástico trabalho de Borges de Barros **


 2 - Em nossos registros, houve cerca de mais de 100 episódios de Os 3 Patetas, vocês então não dublaram tudo de uma vez ?
 
R: Não, não! Veio lá um malote de alguns episódios, mas aí devido ao sucesso que fez na televisão, nós ficávamos aguardando a decisão da emissora. Pelos meus cálculos nós chegamos a dublar uns 4 anos, entre esses intervalos. Para você ter uma ideia eu já estava iniciando com o Dr. Smith e ainda dublava o Moe.


3 - E a tradução, foi somente do Hélio Porto ?

R: Quase que na íntegra. Ele colocava um fone no ouvido e ia já datilografando a tradução e ajustando os diálogos para a dublagem. O Samuel Lobo, grande tradutor também, chegou a traduzir alguns episódios, mas a linha mestra foi realizada pelo Hélio Porto que dirigiu quase toda a série também.



4 - O Samuel Lobo era tradutor e temos poucos registros da dublagem dele. A mais longa foi a do personagem Curly, cuja voz no original se parece muito. Foi por isso que o Hélio Porto o escolheu ?

R: De certa forma foi! Quando nós fomos iniciar essa dublagem, percebemos que havia 2 patetas fixos e 3 diferentes. O próprio Hélio Porto fez uma voz toda especial para o de cabelos em pé. Os demais ele chegou para o Samuel Lobo e disse que ele tinha plenas condições de fazer, mas o Samuel tinha medo de pegar um personagem longo, às vezes, ele dublava esporadicamente, foi quando ele pediu para o Samuel fazer um trejeito específico que o gordinho fazia e na hora ele disse: tem que ser você! Já o outro inicialmente foi o José de Freitas, porque ele conseguia fazer uma coisa muito interessante com a voz "um nhanha´", algo assim que ficou muito bom.



OBS: Esta resposta demonstra que os episódios de Os 3 Patetas vieram fora da ordem de produção para a dublagem, pois Shemp substituiu Curley depois de alguns anos.




5 - E o famoso "cabeça de pudim" que Moe dizia ?


R: Rs,rs,rs. Olha, o texto tinha tantas coisas que precisávamos adaptar que esse cabeça de pudim, foi uma criação minha. Um dia estávamos na bancada e lá no roteiro tinha assim: Moe: e três interrogações. Na hora eu perguntei ao Hélio o que era aquilo e ele disse: tente criar algo para identificar o personagem, porque do inglês para o português não há correspondência. Aí, no meio daquela balburdia toda eu pensei em cabeça de pudim, algo que eu já tinha falado em programas de rádio. E deu certo ! Ficou sendo a marca do Moe, mas com a aprovação do Hélio Porto.




6 - Você falou em balburdia, durante as gravações havia muita agitação ?

R: Às vezes, mas sempre tentávamos ser bem diretos, mas eu digo balburdia, porque muitos sons éramos nós mesmos que fazíamos. Não havia uma técnica que desse conta de tudo. Eu me lembro que várias vezes quando o Moe ficava com a cabeça presa, num balde, numa caixa, eu mesmo punha a mão na boca para demonstrar isso e os demais também fizeram. Muitos tapas, fomos nós que fizemos, porque a técnica tinha que fazer outros ruídos. Se você notar, em alguns episódios, fica até o som original: eles gritando ou rindo. Na realidade, o que atualmente a técnica faz, nós tínhamos que compensar. Isso ocorreu muito nos primeiros tempos, depois a gente já era acudido melhor pela técnica ! 
 

**Curley: Dublagem exemplar de Samuel Lobo**


7 - Em alguns episódios o Hélio Porto foi substituído pelo Flávio Galvão, que procurou a mesma linha do personagem. Por quê ? Quem dirigiu a série nesses episódios ?

R: Meu amigo que memória!! Nossa!!! Você é capaz de se lembrar dos números do jogo do bicho que deram na semana toda, rs,rs,rs! É, realmente, o Flávio esteve substituindo por um curto espaço de tempo, mas não me recordo do motivo e nem quem dirigiu. Talvez o Neville George, não me lembro com certeza !

8 - Pelo que você nos conta a série chegou ao Brasil em diversos
 "pacotes" para a dublagem. Por que houve a substituição do José de Freitas ?

R: Nesses intervalos, o José de Freitas ficou doente e não teve mais condições de retornar. Aí, o o irmão do José, Antônio de Freitas,  ficou pouquíssimo tempo e depois o José Soares.

9 - O elenco de dubladores convidados praticamente não há grandes alterações. Foi uma decisão do Hélio Porto também ?
R: Foi, porque ele queria que os dubladores estivessem integrados no espírito do pastelão, porque, segundo ele, também na série eles utilizavam sempre os mesmos atores. Então, tínhamos sempre o Vaccari, o Neville, a Gessy Fonseca, e muitos mais de extraordinária qualidade.


10 - Atualmente, após mais de 25 anos da estreia na tv, Os 3 Patetas está sendo exibido novamente. De onde vem tanto sucesso ? Dos atores ou da dublagem ?

R: De ambos, os atores que faziam essas comédias na raça atingiram muitas gerações. E todo mundo gosta de ver um idiota qualquer levar uma pancada, escorregar, etc, devido as suas próprias idiotices. É um gênero que faz o público rir. Eu atribuo também o sucesso à dublagem que realizamos. Não quero aqui como se diz "puxar sardinha para mim", mas se não houvesse a mão do Hélio Porto, talvez nós nunca tivéssemos chegado ao que realmente era desejado. Sem dúvida alguma, o trabalho de todos foi excelente! Nunca, ninguém dos "managers" veio contestar a nossa dublagem, tínhamos total liberdade, pois era um trabalho muito sério !

11 - Há algum fato curioso sobre essa dublagem ?

R: Não me lembro, porque era dublar tantos aneis no mesmo dia, que a memória nos prega peça. O fato mais curioso é que, você mesmo disse, está sendo exibido pela televisão e não recebemos um centavo disso! Essa é uma grande curiosidade que já tentaram explicar, mas que ninguém consegue aceitar! rs,rs,rs.

** Borges de Barros faleceu em dezembro de 2007, mas a sua fantástica arte deve ser sempre reverenciada, não devemos esquecer o grande artista brasileiro que foi em Rádio, Televisão e Dublagem. **


**Aqui temos dois episódios de Os 3 Patetas completos.
 Observem as interpretações de todos os dubladores envolvidos.

**VÍDEO 1**



**VÍDEO 2**



**VÍDEO 3**



**Marco Antônio dos Santos**

0 comentários:

Postar um comentário