11 de julho de 2010

A DUBLAGEM DO FILME "CLEÓPATRA"




Cleópatra permaneceu, por mais de 30 anos, como a produção mais cara e conturbada do Cinema. Atrasos nas filmagens, doença da atriz principal, substituição de elenco, casos amorosos entre protagonistas e, claro, uma produção grandiosa e espetacular que quase levou a 20th Century Fox à falência. Esses e outros problemas enfrentados pelos envolvidos na produção de Cleópatra ajudaram, ao longo dos anos, a criar uma aura de lenda em torno do filme.

Contando a saga da famosa rainha egípcia, acompanhamos Cleópatra (Elizabeth Taylor) desde o momento em que conhece Júlio César em seu palácio em Alexandria, onde pede ajuda ao ditador romano pra voltar ao poder. César a ajuda e os dois iniciam um relacionamento que resultaria em um filho, Cesário. Cleópatra exige que seu filho seja nomeado herdeiro, mas antes que César possa tomar sua decisão, é morto no senado romano. Em seguida, Cleópatra pede ajuda a Marco Antônio, com quem igualmente começa uma relação. A paixão de Antônio por Cleópatra desperta a fúria de Roma e de Otávio, um dos herdeiros de César, que declara guerra ao ex-general e amante da rainha.

Mesmo que boa parte do público que assiste Cleópatra conheça a história da rainha e sua relação com Roma, saber como o filme termina não é empecilho algum para que se possa apreciar essa grande obra em toda sua magnitude. Cleópatra é um espetáculo inigualável, esplendoroso e deslumbrante que, por incrível que pareça, ainda não foi superado. É uma trama épica e grandiosa que mistura intriga, poder, paixão e aventura com habilidade e coerência. E, acima de tudo, é um marco do Cinema, uma obra obrigatória para os cinéfilos e imprescindível para se conhecer a Sétima Arte.



Dirigido por Joseph L. Mankiewicz (um grande diretor que não possui o reconhecimento que merece, já que é o responsável por ótimos filmes como De Repente, No Último Verão e A Condessa Descalça, além da obraprima A Malvada), Cleópatra foi o filme que quase levou um dos maiores estúdios de Hollywood a fechar suas portas, tamanha foi a sua produção. Mas ninguém pode dizer que os 44 milhões de dólares gastos no filme (em 1963 isso era um valor inimaginável) foram mal aproveitados. Os cenários são magníficos, cada locação é inegavelmente espetacular, dando a exata noção do luxo em que a rainha vivia. Além disso, é embasbacante perceber que os cenários, que poucas vezes se repetem, são todos igualmente fantásticos e completamente diferentes uns dos outros.



** CLEÓPATRA E JÚLIO CÉSAR: SANDRA CAMPOS E ALDO CÉSAR


Elizabeth Taylor parece ter nascido para interpretar Cleópatra. A estrela jamais encarnou tão bem um personagem, transformando a rainha em uma mulher linda, inteligente e astuciosa, capaz de fazer o que for preciso para ter seus objetivos alcançados. Enquanto isso, Rex Harrison e Richard Burton (com quem Liz iniciou um relacionamento tumultuado durante as filmagens), interpretando Júlio César e Marco Antônio, respectivamente, estão igualmente ótimos nos papéis, transmitindo com eficiência a dualidade entre ser um general temido e um amante submisso aos desejos da rainha.


**A DUBLAGEM**


Segundo informações do dublador Carlos Campanile, a dublagem deste filme ocorreu no início de 1970 na AIC. Um filme com cerca de 3 horas e 45 minutos de duração, exigiu muitos dubladores e muita dedicação para não se perder nenhum detalhe da gigantesca obra cinematográfica realizada. A título de curiosidade, vejamos uma declaração do dublador Nelson Machado:

"O trabalho era enorme e URGENTE. Tão urgente que foi dublado sem parar, virando noite, com rendição de equipes (incluindo troca de diretores), passando direto por um sábado e um domingo inteiros. O técnico de gravação se chamava NIVALDO e o projecionista, que na época tinha uns 15 ou 16 anos, ERA EU!"



** ELIZABETH TAYLOR: DUBLADA POR SANDRA CAMPOS **

Para o elenco principal, a escolha não poderia ter sido melhor:
Elizabeth Taylor é dublada por Sandra Campos, a qual imprime à personagem toda a sua realeza, também através da exemplar interpretação.
Rex Harrison, como sempre, esplendidamente dublado por Aldo César, o qual parecia dominar perfeitamente a interpretação do ator americano.
Richard Burton é dublado por Dráusio de Oliveira que tem, nesse personagem, um de seus melhores desempenhos dentro da AIC.
Martin Landau, ainda antes da série Missão Impossível, fica com a competência extraordinária de Carlos Campanile.


**CLEÓPATRA E MARCO ANTÔNIO: SANDRA CAMPOS E DRÁUSIO DE OLIVEIRA**

Uma dublagem à altura de um filme épico, que nos deixa orgulhosos de nossos profissionais em dublagem. Conta-se, que durante as dublagens desse filme, muitos companheiros iam assistí-la, especificamente para ver Sandra Campos e Aldo César, na pele de Cleópatra e Júlio César.

Uma das últimas exibições de Cleópatra, pela Rede Globo, foi no início da década de 2000 e ainda apresentou a dublagem da AIC, mas o filme não pôde ser exibido na íntegra, uma vez que alguns trechos haviam se perdido por causas desconhecidas, chegando a quase 20 ou 25 minutos no conjunto.


 Assim, quando foi lançado em DVD, entre 2004 e 2005, houve uma redublagem realizada pelo estúdio Clone. Nesta redublagem, Carlos Campanile dubla o mesmo personagem que fizera em 1970.
A nova dublagem também é boa e conta com excelentes profissionais, porém aquele "glamour" entre os três personagens principais se apaga um pouco.


O filme teve uma produção de alto nível e, a dublagem realizada pela AIC, configurou como uma obraprima cinematográfica !!



** ATORES / PERSONAGENS / DUBLADORES **

Elizabeth Taylor (Cleópatra):
Sandra Campos.

Richard Burton (Marco Antônio):
Dráusio de Oliveira.


Rex Harrison (Júlio César): Aldo César.


Roddy McDowall (Octavio - Cesar Augusto): Sergio Galvão.


Cesare Danova (Apollodorus): Flavio Galvão.


Kenneth Haigh (Brutus): Luiz Pini.

Andrew Keir (Agrippa): João Ângelo
.

Martin Landau (Rufio): Carlos Campanile
.

Robert Stephens (Germanicus): Sílvio Navas.


Jacqui Chan (Lotos): Aliomar de Matos.


Richard Sullivan (Farao Ptolomeu XIII): Orlando Viggiani.


Gregoire Aslan (Pothinus): Borges de Barros.


Herbert Berghof (Theodotos): Marcelo Ponce.


John Doucette (Achillas): Mario Jorge Montini.


Jean Marsh (Octavia): Líria Marçal.


Michael Hordern (Cícero): Waldyr Guedes.

John Hoyt (Cassius): Eleu Salvador.


Carroll O'Connor (Casca): João Paulo Ramalho.


Ben Wright (Narrador): Francisco Borges.


Outras vozes: Arquimedes Pires, Francisco José e Garcia Neto.


**Para relembrarmos a dublagem da AIC, temos aqui dois vídeos.
OBS> Os áudios estão um pouco baixo.


**VÍDEO 1: Sandra Campos e Aldo César**
video

**VÍDEO 2: Sandra Campos e Dráusio de Oliveira**
video

**Marco Antônio dos Santos**

1 comentários:

marcelodvds disse...

eu tenho aqui um tvrip do filme cleopatra gravado do corujao da globo ainda com a dublagem da a.i.c.quem tiver enterressado e so me procurar .email:marcelodvds@yahoo.com.br

Postar um comentário