10 de março de 2010

A DUBLAGEM DO FILME "O CORCUNDA DE NOTRE DAME" (1939)




Primeira versão sonora cinematográfica do livro clássico de Victor Hugo. A versão do cinema mudo foi estrelada por Lon Chaney (1923). Esta produção estrelada por Charles Laughton, que estava no auge de sua carreira quando personificou Quasímodo (o Corcunda), recebeu duas indicações ao Oscar, em 1939.

É provavelmente, a melhor interpretação dada ao triste personagem, morador da Catedral de Notre Dame, que perambula pelos impressionantes cenários de Paris, criados especialmente para o filme, em Hollywood. Maureen O'Hara está perfeita como a linda cigana Esmeralda, pela qual Quasímodo se apaixona desesperadamente, a ponto de romper a paz da imponente e secular Catedral, aterrorizando a população.



Durante o reinado de Luis XI, o chefe de segurança do castelo, Frollo, fica encantado com a jovem cigana Esmeralda. Assim manda o corcunda Quasímodo capturá-la. Mas ele e a moça são presos por Phoebus, capitão da guarda. Quasímodo consegue libertar Esmeralda, mas é sentenciada. Adaptação para o cinema do clássico de Victor Hugo, aqui numa versão bem mais fiel à obra original.





**Maureen O'Hara**


Atores principais:

Charles Laughton

Cedric Hardwicke

Maureen O'Hara

Thomas Mitchell

Edmond O'Brien


O livro é um clássico da Literatura Universal e esta versão para o cinema, com seus 70 anos, é até hoje reverenciada como a melhor adaptação. Para o ano de 1939 foi uma super-produção. Os cenários sombrios das vielas parisienses, figurinos, a maquiagem do Quasímodo, o contraste em preto e o branco traduzem a atmosfera perfeita do final da Idade Média.


Este filme foi entregue, na década de 1960, para a dublagem na AIC. Um trabalho difícil, uma vez que há dezenas de figurantes e como dublar Charles Laughton, que fez uma fala de difícil compreensão, de acordo com as características do personagem. Durante muitos anos, a dublagem deste filme ficou desaparecida, seria mais uma grande perda.

 O filme produzido ainda pela RKO Filmes, acabou sendo restaurado para DVD. Mesmo assim, nota-se que foi realizado um grande esforço, pois ainda se observam os riscos da película e a dublagem brasileira também o foi. Da mesma forma que a imagem, o som possui um certo ruído baixo, mas as vozes se ouvem perfeitamente. Um trabalho que muitas distribuidoras deveriam seguir o exemplo.



A dublagem do Quasímodo foi realizada por Borges de Barros e, realmente, para aqueles que estão acostumados com a dublagem de Moe ou do Dr. Smith, verão algo totalmente diferente, que nos faz esquecer das dublagens citadas. Sem dúvida alguma, somente um artista com o seu potencial poderia dublar um personagem com dificuldade de falar, seguindo o que o ator Charles Laughton também o fez.

 Aqui, poderíamos dizer que essas três dublagens foram exercícios diferentes, cada uma mostra o lado mágico que Borges de Barros captava a sensibilidade do personagem a dublar. Um talento inigualável para ser a voz do Quasímodo.




**Charles Laughton (Quasímodo): dublagem impecável de Borges de Barros**

A direção de dublagem coube a Neville George, o qual escolheu brilhantemente o dublador do Corcunda de Notre Dame.


 A dublagem no todo é extremamente bem cuidada e há tantos dubladores que seria uma lista enorme. Mas, podemos ressaltar também o próprio Neville George que dubla o grande vilão, Xandó Batista, Líria Marçal, Magno Marino, Flávio Galvão, João Ângelo, Gilberto Baroli, Eleu Salvador que dubla um padre e faz as falas do juiz com uma voz de um senhor bem idoso e Celso Vasconcellos dublando o ator Edmond O'Brien, além de muitos outros nomes da AIC.




Para aqueles que apreciam filmes épicos antigos é um bom programa, e vem com o sabor da dublagem original, algo raro em filmes tão antigos. Até o clássico E o Vento Levou, também de 1939, não saiu com a dublagem realizada na década de 1980 pelo estúdio Herbert Richers. Contudo, um alerta: há duas versões de O Corcunda de Notre Dame com Charles Laughton, apenas uma traz a saudosa dublagem da AIC.

**VÍDEO 1:


**VÍDEO 2:




**Marco Antônio dos Santos**

0 comentários:

Postar um comentário