1 de fevereiro de 2010

CONVERSANDO SOBRE JOSÉ SOARES



**O DUBLADOR CARLOS CAMPANILE, GENTILMENTE FALA SOBRE A OBRA DE JOSÉ SOARES E ALGUNS FATOS DESCONHECIDOS DOS FÃS**


1 - Onde e como você conheceu José Soares ?

R: Conheci o José Soares na Ibrasom, levado por um colega de elenco de apoio (figuração) da Organização Victor Costa - canal 5. Além dele, conheci outras “feras”: Edgar Garcia, Gervásio Marques, Rolando Boldrin, Ricardo Nóvoa, Adriano Stuart, Otávio Augusto, Marcelo Gastaldi, Sandra Campos, Lucy Meireles... e por aí vai.....


2 - Qual a importância dele para a tua carreira ? Foi um dos teus mestres ?

R: Foi de suprema importância , pois ele estava substituindo o diretor artístico da Ibra que estava de férias (não lembro o nome dele) e foi o Zé, que depois de algumas semanas em que assisti atentamente às dublagens, após um teste me disse que eu levava jeito para a coisa e que eu iria começar a dublar primeiro as pontas e dependendo do meu progresso passaria a papéis cada vez maiores. Fora isso, me ensinou muita coisa naqueles primeiros tempos de meu aprendizado.Foi meu primeiro "padrinho aríistico", digamos assim.

3 - Você dublou ao lado dele na AIC. Quais são os aspectos que você destacaria de José Soares como dublador ?

R: Dublei várias vezes ao lado dele na AIC. Ele, como a maioria dos dubladores da época, procurava com concentração e empenho "viver" o personagem, procurava fazer o melhor possível para que o personagem "falasse em português". Sempre com muita calma e paciência, também quando dirigia dublagem, acredito que a maioria dos trabalhos dele ficou com ótima qualidade.

4 - E o José Soares como diretor de dublagem, como você o descreve ?

R: Acrescento ao que já coloquei na resposta anterior que ele era extremamente competente como diretor, passando sempre as dicas corretas tanto em relação ao sincronismo, quanto à interpretação.

5 - Dentro da AIC, você ressaltaria alguns trabalhos mais marcantes como dublador ou como diretor de dublagem que ele tenha realizado ?

R: Dificil dizer, pois praticamente tudo que ele fazia era de boa qualidade. Destacaria, talvez, o Gordo de "O Gordo e o Magro", e o Mr. Magoo (apesar de não lembrar se o Magoo foi dublado ainda na AIC), que eu acho que foram os mais marcantes.

6 - Fora da hora do "gravando", como era o amigo José Soares ?

R: Fora do estúdio dificilmente há vida social entre os dubladores. Mas houve uma época em que o Zé perguntou se eu jogava futebol, porque queria saber se eu gostaria de jogar no time dele (ele tb era o técnico) o Tuiuti, do Tatuapé. E lá fui eu por alguns domingos jogar pelo time dele. A carreira não foi nada longa porque eu não era nada brilhante como jogador de futebol. Muito pelo contrário. Mas sempre que me encontrei com ele fora dos estúdios era alegre, comunicativo, sempre com uma piada na ponta da língua para tirar sarro ou fazer brincadeiras com alguma situação.






7 - Atualmente os dubladores são mais fotografados, fala-se mais em dublagem, qual seria o legado que José Soares deixou para os dubladores atuais ?

R: Acho que deveriam se dar conta dos bons exemplos e das lições deixadas pelo Zé e tantos outros que já se foram.


8 - Você se recorda de algum fato curioso que tenha ocorrido com vocês ou com ele sozinho ?

R: Lembro, sim. Eu tinha apenas alguns meses de dublagem na Ibrasom e um dia, quando fui olhar a escala, estava designado para fazer o papel principal “o Santo”, num filme chamado “O Santo contra o Tigre”. Para mim uma surpresa, porque não achava que estivesse em condições de “estrelar”, ainda. O diretor de dublagem era o Ricardo Nóvoa (excelente profissional tb) e o Zé ainda era o diretor artístico. (Aliás, o foi até o final da Ibrasom, pois o outro nunca voltou das “férias”).
Depois de ter dublado alguns poucos aneis, o Zé pediu permissão ao Ricardo para interromper a dublagem pra falar comigo: perguntou como eu estava me sentindo e eu respondi que estava surpreso e ao mesmo tempo nervoso pela responsabilidade de fazer um papel tão grande.
Aí ele me disse: “Pois é, tudo não passa de uma brincadeira, pois hoje é 1º de abril e tínhamos que pegar alguém e o escolhido foi você”. E todos que estavam ali caíram na gargalhada. Não preciso dizer da minha desilusão e da minha tristeza ao ouvir aquilo, mas tive de dizer que estava tudo bem, que eu aceitava a brincadeira. E então, passadas as risadas ele me disse que realmente estavam brincando, só pra ver a minha reação, mas que o papel era meu e que eu poderia continuar dublando. E foi assim, com 1º de abril e tudo; e contando com a ajuda preciosa do Ricardo Nóvoa na direção, que eu fiz o meu primeiro papel principal na dublagem.


9 - Há vários episódios da série Perdidos no Espaço, onde Borges de Barros dubla vários anéis com o José Soares. Você, passados mais de 40 anos, classificaria como uma dublagem clássica ou não ? Por quê ?


R: Eu não diria clássica, pois acho esse termo mais apropriado à obra original, mas classificaria como exemplar, tanto para quem assiste aos filmes, quanto para os profissionais que desejarem realmente se tornarem bons em seu trabalho, porque hoje em dia está difícil de se ver dublagem com a qualidade de um José Soares e de um Borges de Barros.


10 - Os fãs de José Soares continuam firmes. Qual mensagem você, que o conheceu tão bem, deixa para todos que sentem mais uma grande lacuna na dublagem ?


R: Eu não sou muito bom para mensagens. Não tenho o dom do Arquimedes, por exemplo, que escreve tremendamente bem, mas diria que todos nós que sentimos a perda do José Soares, temos que ter esperança de que os profissionais que estão surgindo de uns tempos para cá se esmerem e se esforcem para poder deixarem para as gerações futuras o mesmo exemplo de trabalho digno e de qualidade que nos foram deixados pelo Soares, pelo Borges, Wolner Camargo , Older e Olney Cazarré, Hélio Porto, Neville George, Líria Marçal, Sandra Campos, Áurea Maria, só para citar alguns; e tantos outros que souberam respeitar e representar condignamente a nossa profissão.


***AGRADECEMOS A GENTILEZA DO DUBLADOR CARLOS CAMPANILE EM NOS OFERECER MAIS INFORMAÇÔES SOBRE O INESQUECÍVEL JOSÉ SOARES***

**AQUI, UM TRECHO DA SÉRIE BIG VALLEY, NO QUAL CARLOS CAMPANILE DUBLA AO LADO DE JOSÉ SOARES E ÁUREA MARIA**



**Marco Antônio dos Santos**

2 comentários:

Betarelli, Ivan D. disse...

Além do Campanile, a Nair Silva também foi uma pessoa introduzida no meio da dublagem pelo Soares, como ele era chamado pelos amigos. Realmente fica o legado de homens como ele, o Líbero e o Borges, que lapidaram a dublagem ha tempos, deixando essa herança artística que tanto admiramos.

alfredo disse...

José Soáres pra mim sempre foi o Vô Zé...o meu avô.Infelizmente só estou conhecendo esse lado "mestre" dele agora.O que posso acrescentar dele, da pessoa dele fora do estúdio só complementa o que já foi dito. Ele sempre tinha uma piadinha na ponta da língua..qualquer coisa.SEMPRE. E mesmo quando estava com problema ele arrumava um jeito de fazer piada com o próprio problema dele. Lembro que quando ele descobriu que estava doente, com o problema na próstata, quando ainda estava em casa eu fui visita-lo e ele me disse " você viu só, agora eu sou uma pessoa PROSTRADA" se referindo a ele mesmo. Enfim, apenas queria agradecer a todo esse carinho por ele e reconhecimento que continua a ser dado ao seu trabalho e a sua vida profissional.
OBRIGADO!
Renato.

Postar um comentário