21 de abril de 2009

DUBLADOR EM FOCO (47): JUDY TEIXEIRA

** Judy Teixeira em 1975**


Mais uma grande dubladora, praticamente no esquecimento. Não há registros de sua biografia. O que conseguimos apurar, conversando com alguns dubladores, é que também paricipou de rádio-novelas e também de algumas novelas na extinta TV Paulista.

Sua novela de maior sucesso foi Ídolo de Pano, em 1974, na Tv Tupi, mas também participou da novela Ovelha Negra na mesma emissora em 1975.


Judy Teixeira possuía uma voz macia, tipo aveludada e se encaixava muito para mulheres mais calmas e tranquilas. Desde o início da série A Feiticeira dublou as duas atrizes que interpretavam a personagem Louise Tate, além da Dra. Ann de O Túnel do Tempo em 25 episódios, sendo substituída, no final da temporada, por Gessy Fonseca.



**Reverenda Madre na série A Noviça Voadora**

Também dublou a Reverenda Madre na série A Noviça Voadora.
A personagem Julie Anderson, interpretada pela atriz Kasey Rogers, na 2ª temporada de A Caldeira do Diabo (Peyton Place). A mesma atriz que dublou durante anos na série A Feiticeira (Louise Tate).


** Dra. Ann na série O Túnel do Tempo **


Além desses três personagens mais marcantes, participou em diversos filmes e séries de tv , dublando atrizes convidadas em Perdidos no Espaço, Terra de Gigantes, Daniel Boone, Lancer e muitas outras.


Sua postura de voz e interpretação sempre foram de alta qualidade. Nos estúdios da AIC era tão respeitada pelos colegas que sempre foi chamada de "Dona Judy". Ao lado do dublador Xandó Batista formavam os dubladores admirados por seus amigos de bancada.


Participou das dublagens dos filmes:

a Senhora Violet Venable interpretada por Katherine Hepburn em De Repente, no Último Verão, Sadie Burke interpretada por Mercedes McCambridge em A Grande Ilusão, Lydia Brenner interpretada por Jessica Tandy em Os Pássaros, entre outros.

Infelizmente, como sempre no Brasil, a atriz e dubladora faleceu no anonimato entre 1986 e 1988. Não há precisão da data e desconhece-se a causa.


** Louise Tate na série A Feiticeira **

Judy Teixeira estará presente sempre entre nós, pois algumas dublagens estão aí em DVD, comprovando o seu talento. Nós fãs, te agradecemos pelo teu trabalho.


**Neste vídeo, um episódio da série A Feiticeira, onde Judy Teixeira dublou a personagem Louise Tate**
video


**Neste vídeo um episódio da série A Noviça Voadora, onde Judy Teixeira dublou a personagem Reverenda Madre**

video




***Marco Antônio dos Santos***

20 de abril de 2009

DUBLADOR EM FOCO (46): BATISTA LINARDI



Um dos dubladores mais atuantes da fase de ouro da AIC.
 Dublou dois personagens fixos das séries de Irwin Allen.
Em O Túnel do Tempo: General Kirk e Viagem ao Fundo do Mar: Kowalski.


João Batista Linardi nasceu em Campinas, São Paulo. Começou a carreira trabalhando em um escritório que funcionava no mesmo prédio de uma emissora de rádio. Por ter sempre contato com os profissionais da Rádio, acabou pegando gosto pela coisa, e um tempo depois ingressou no Rádio.

Batista Linardi fez de tudo no Rádio, foi jornalista policial, locutor, produtor, diretor de várias rádios, autor de rádionovelas e programas humorísticos, entre outros.

Em 1952, funda em Campinas a Associação Campeira de Rádio, ao lado de vários outros sócios. Fica na emissora até por volta de 1960/61, quando vai para a Capital Paulista, trabalhar como diretor gerente da Rádio Cometa S.A.

Em 1961, apresenta o programa de audições na Rádio Cometa, Eu Quero é Disco.

Por volta de 1961/62, começou a apresentar o programa "Falando Com Franqueza", onde fazia críticas a política dos Estados Unidos em relação à América Latina. Nessa ocasião, a emissora começou a receber ameaças em nome do grupo MAC (Movimento Anticomunista), chamava Batista de lacaio de Moscou, e ameaçava mandar pelos ares a emissora. Na ocasião, o delegado do DOPS, Ítalo Ferrigno, disse que havia localizado o núcleo do MAC, e que iria realizar várias prisões.

Por volta de 1965/66, Batista entra na Rádio Gazeta, onde apresenta o programa "Candidatos Ao Sucesso", um conhecido tipo de programa que revelava cantores.

Por volta de 1968/69, ingressa na Tv Tupi, onde trabalha em programas jornalísticos expondo sua opinião forte sobre vários temas, o que o fez ficar conhecido muitas vezes como agressivo.

Também trabalhou em outras emissoras e programas, como no programa de Blota Júnior, chamado Diálogos, e em programas de J. Silvestre, entre outros.

O Advogado do Diabo em 1969

Em 1969, ingressa no programa Leopoldo Heitor - Advogado do Diabo, apresentado todas as quintas-feiras, as 22h30, e posteriormente as 22h15, no qual criava um ambiente de tribunal, com juiz, testemunhas, advogados, e debates. Batista sempre representava o papel do contra.

Em 16 de Fevereiro de 1970, estreia o programa diário "A Hora do Pingado" na Rádio Tupi, as 7h30, ao lado de Plínio Marcos, onde se discutia todo o tipo de assunto, com bom humor, crítica, ironia, e gozação.
 Também coloca no ar notícias e entrevistas, além da Roda de Samba, quadro do programa onde são reproduzidas músicas de diferentes gêneros da música popular brasileira.

Em 1971, inaugura outro programa matinal, chamado Comece Bem o Seu Dia, de produção de José Roberto Gama, que vai ao ar das 6h35 às 7h da manhã, com músicas, informações, notícias curiosas e policiais, muito semelhante ao outro programa em que participava, chamado A Hora do Pingado.

Também em 1971, a Rádio Tupi lança o programa Matutino Tupi, depois do sucesso alcançado pelo Grande Jornal Falado Tupi, no horário noturno. Quem cuida do programa é Enézio Velozo Teixeira, e Antônio de Oliveira, com coordenação de Batista Linardi, e apresentado todos os dias as 7h00.

Em 1973, participou do quadro de calouros no programa Ayrton Rodrigues na Tv Tupi, ao lado de Geórgia Gomide, Henrique Martins, Walter Stuart, Gioia Stefanini, Odilon Coutinho e Tony Ramos.

Na dublagem, Batista Linardi ingressou na AIC em 1965. Participou em diversas séries, mas foi em Viagem Ao Fundo do Mar que teve o seu primeiro destaque, dublando Kowalski interpredado por Del Monroe.

Também marcou sua voz em outro personagem, o General Heywood Kirk interpretado por Whit Bissell em O Túnel do Tempo. 

*General Kirk*


Batista Linardi esteve presente, dublando atores convidados, nas séries Missão Impossível, Daniel Boone, Terra de Gigantes, Lancer, Bonanza, entre outras da época.

Na mesma época, se torna diretor de dublagem na Odil Fono Brasil, o qual desempenhou esse papel até o final da empresa no início da década de 1980. Entre as produções que dirigiu, está a série "As Aeromoças". Também participa dublando em inúmeros filmes, como Crocodilo - A Fera Assassina, Corrida Com o Diabo, entre outros.

Com o seu intenso trabalho no Rádio no final da década de 1960 e início da de 70, não esteve tão presente quanto antes na dublagem, voltando aos estúdios com maior força em meados dos anos 70.

*Kowalski*

Nos anos seguintes, continua na empresa, mesmo após a mudança de dono e nome na AIC, agora chamada de BKS. É na empresa onde dubla seus melhores protagonistas em filmes, como:
 Dion O’Banion interpretado por John Orchard em Capone - O Gangster, Willie Conklin interpretado por Kenneth McMillan em Na Época do Ragtime, Almirante Burns interpretado por Ian Keith em O Monstro do Mar Revolto, Helmut Unger interpretado por Hardy Krüger em O Homem Com a Lente Mortal, Dr. Ham Hamilton interpretado por Gig Young em Espectro, Sidney Broome interpretado por Ted de Corsia em A Dama de Shanghai, Presidente dos EUA interpretado por Robert Beatty em Superman IV - Em Busca da Paz, entre outros.

Além da BKS, Batista também atuou muito na Álamo, principalmente na década de 1980 em séries e desenhos japoneses. Entre elas Esquadrão Relâmpago Changeman, O Fantástico Jaspion, e Comando Dolbuck.

Segundo o dublador Carlos Campanile, Batista Linardi faleceu, provavelmente, em 1989.

**Para aqueles que quiserem ouví-lo dublando o general Kirk na série O Túnel do Tempo**
video

**Aqui, o seu personagem mais famoso, onde o dublou nos 110 episódios da série Viagem ao Fundo do Mar**
**KOWALSKI**


VÍDEO 2 / Episódio "Os Anfíbios" de Viagem ao Fundo do Mar:
video

**Fonte de Pesquisa: site Casa da Dublagem*
*Arquivo Pessoal*


***Marco Antônio dos Santos***

17 de abril de 2009

ENTREVISTA COM MARCELO GASTALDI



***ESTE PEQUENO DEPOIMENTO FOI REALIZADO DE MANEIRA INFORMAL, NO ESPAÇO CULTURAL VERGUEIRO NA CIDADE DE SÃO PAULO, NO DIA 15/10/1990****

***PROCURAMOS, NA MEDIDA DO POSSÍVEL RETIRAR A ORALIDADE DO TEXTO***


1 - Você começou a sua carreira de dublador bem jovem. Como foi esse início.

R: Sim! Eu quando era criança gostava de ouvir as radionovelas, as vozes que não sabíamos os rostos e quando eu tinha uns 15 anos eu já andava procurando algo em estúdios de rádio. Nessa época, conheci Ribeiro Filho que viu o meu entusiasmo e me levou até a Gravasom para fazer um teste. Gostaram e fiquei dublando o jovem filho na série Papai Sabe Tudo, até a série chegar na AIC.

 
2 - E depois na AIC ?

R: Eu deveria ter uns 18 anos e ainda só sobravam os adolescentes, os que falavam pouco, mas não desisti, fui fazendo os convidados, muitos só tinham um anel na história.

3 - Houve 4 séries , onde você conseguiu um personagem fixo: A Noviça Voadora, Os Monkees , E as Noivas Chegaram e Chaparral. Qual te traz grandes recordações ?

R: O Carlos foi gratificante trabalhar ao lado da Aliomar de Matos (aprendi muito com ela), parecia que tínhamos conseguido uma certa magia entre nós, o que se repetiu no desenho Bam-Bam e Pedrita. Já Os Monkees foi interessante para a época. Na minha opinião, o Carlos e o Bam-Bam adolescente foram os mais marcantes. Quanto ao Jeremias, ele era muito apagadinho...O Blue de Chaparral, creio que foi a grande oportunidade de dublar um personagem problemático.

4 - Como você vê a experiência do sucesso de Chaves e Chapolin até hoje ?

R: Creio que foram vários fatores: os personagens se identificaram com diversas gerações. Pelo aspecto artístico foi e continua sendo maravilhoso, mas quanto aos direitos autorais é muito triste!

 
5 - Você mencionou o aspecto artístico. Como foi esse processo ?

R: Parecíamos que estávamos na AIC novamente, só que com mais recursos técnicos. Reunir talentos como Nelsinho Machado, Helena Samara, Mário Vilela, Osmiro Campos e os demais foi muito enriquecedor, pena que a proposta original não tenha vingado.

6 - Qual foi a proposta original ?

R: Bem! Marco Antônio, peço desculpas, mas não gostaria de tratar desse assunto tão, digamos, estressante.

7 - Do que você sente saudades dos tempos da AIC ?

R: Olha, sem medo de ter falsa modéstia, mas dos colegas com que convivi, aquilo era uma casa como tantas: alegrias, aborrecimentos e escola. Aprendi muito com grandes diretores de dublagem, como o José Soares.

 
8 - Algum fato curioso que você se recorde ?

R: Bom! Quando ainda fazia muitos convidados, eu tinha um anel com a saudosa Rita Cleós. Era pequeno, mas eu errei duas vezes chamando-a de Rita e não de Samantha,rs,rs,rs,

9 - Como você vê o universo da dublagem atualmente ?

R: Com otimismo, porque projetos todos temos, mas também com um olhar de muita cautela.

10 - Deixe uma mensagem para os teus fãs que te acompanham nos seriados até hoje .

R: Agradeço a lembrança de todos! Tenham a certeza de que nós sempre tentamos fazer o melhor, quando nos deixam! Muito obrigado a você Marco Antônio, que vejo como um "dinossauro tentando resgatar a pré-história da dublagem!"


OBS** Marcelo Gastaldi faleceu em 1995, aos 50 anos de idade.


** Aqui, um vídeo da série A Noviça Voadora, no qual Marcelo Gastaldi dubla o personagem Carlos Ramirez ao lado de Aliomar de Matos:




***Marco Antônio dos Santos***