23 de novembro de 2009

A DUBLAGEM DO FILME "A UM PASSO DA ETERNIDADE"




Produzido em 1953, em preto e branco, neste filme paixão e tragédia colidem numa base militar em um fatídico dia de dezembro de 1941. O recruta Prewitt (Montgomery Clift) é um soldado e ex-boxeador sendo manipulado pelos seus colegas e superiores.

Seu amigo Maggio (Frank Sinatra) tenta ajudá-lo mas já tem seus próprios problemas. O sargento Warden (Burt Lancaster) e Karen Holmes (Deborah Kerr) trilham o perigoso caminho de amantes ilícitos. Cada uma das vidas será mudada quando suas histórias culminarem com o ataque japonês a Pearl Harbor.

O filme foi ganhador de 8 Oscar, além de diversas indicações:
Filme, Direção, Roteiro, Ator (Montgomery Clift), Ator (Burt Lancaster), Atriz (Deborah Kerr), Ator Coadjuvante (Frank Sinatra), Atriz Coadjuvante (Donna Reed), Fotografia em Preto e Branco (Burnett Guffey), Figurino em Preto e Branco (Jean Louis), Som (John P. Livadary), Edição (Willian A. Lyon), Música (Morris Stoloff e George Duning)
Cannes: Grande Prêmio, Prêmio Especial
Globo de Ouro: Direção, Ator Coadjuvante (Frank Sinatra)


**Burt Lancaster e Deborah Kerr**

A dublagem realizada pela AIC é mais uma obra-prima do estúdio. Realizada em seu pleno apogeu, os dubladores tornam o filme muito mais marcante, a interpretação transforma-o mais emocionante em todos os seus aspectos.

O interessante é que, devido às características do roteiro, há diversos personagens e não se encontra um mesmo dublador que faça dois pequenos personagens (fato comum atualmente).

A direção de dublagem, realizada por Sérgio Galvão, foi impecável e os dubladores nos deixaram suas vozes para a "eternidade".

Aqui, relacionamos os dubladores principais:

**Burt Lancaster: dublado por Aldo César.(interpretação extraordinária).

**Frank Sinatra: dublado por Carlos Campanile (um trabalho extraordinário, talvez um de seus melhores).

**Montgomery Clift: dublado por Sérgio Galvão (um tom intismista, perfeito).

**Deborah Kerr: dublada por Líria Marçal (dispensa comentários: atuação talentosa).

**Donna Reed: dublada por Isaura Gomes (a voz adequada e talento).

**Ernest Borginne: dublado por João Ângelo (sempre valorizando o ator).

*** Há ainda as presenças de: Astrogildo Filho, Arquimedes Pires, Sandra Campos, Silvio Matos, Hugo de Aquino Júnior, Helena Samara e muitos outros.

***Felizmente a dublagem foi preservada e está disponível em DVD para os admiradores do cinema de Hollywood, da década de 1950, e sem dúvida, para os fãs da Arte Industrial Cinematográfica São Paulo.


***Vejamos o trecho inicial do filme:


**Marco Antônio dos Santos**

1 comentários:

Valdemir disse...

Aldo César era fantástico.
Eu me lembro muito bem a dublagem dele para o Júlio César em Cléopatra, dublando Rex Harrison novamente. Nenhuma voz poderia ser mais poderosa para interpretar o famoso imperador. Tanto que a qualidade do filme caia,l quando ele morre assassinado. Bom, neste filme, também temos que lembrar o Dráusio de Oliveira para o R.Burton (a melhor voz para o Dick) e a bela voz para Liz Taylor.

Postar um comentário