13 de novembro de 2008

DUBLADOR EM FOCO (34): ARLETE MONTENEGRO



Arlete Montenegro nasceu na capital paulista, em 15 de outubro de 1938. Começou a trabalhar aos doze anos numa fábrica. Gostava de ouvir rádio e foi assim que aos 19 anos tomou conhecimento de um concurso da Rádio São Paulo, que se chamava: “Procura-se uma estrela”. Apresentou-se. Tão criança era, que nem tinha noção da responsabilidade.


Sua voz, sempre linda, sua dicção perfeita, foram logo notadas. Tirou primeiro lugar. Fez um contrato e começou a trabalhar o dia inteiro na rádio. Oswaldo Baroni, o diretor, lhe dizia: “Fique ouvindo como os outros fazem. Faça você também”. E assim foi fazendo novelas e mais novelas, na emissora líder da época. Não tinha consciência das coisas, mas logo ganhou o prêmio “Tupiniquim”, como melhor radioatriz. Ficou depois com o título de “Heroína do Quarto Centenário”, pois era o ano de 1954. Logo foi convidada para a TV Record. E já começou fazendo a Esmeralda do “Corcunda de Notre Dame”, uma cigana que dançava e era linda. E nunca mais parou de fazer televisão. E não ficou só aí.



Entrou também para a dublagem, sempre aproveitando o maior dom que Deus lhe deu: sua voz. E também foi para o teatro. Foi para TV Excelsior, que era a Hollywood da época. Fez : “As solteiras”, “Minas de prata”, A Muralha”, (a saga dos Bandeirantes), uma novela de total sucesso. Entre uma plêiade de astros, Arlete se destacava.


Em teatro fez: “Noites brancas”, “Ilha dos cabras”, “Dois na gangorra”, e muitas outras. Com o fechamento da TV Excelsior foi para a TV Tupi, e fez: “Divinas e maravilhosas”, “Meu rico português”, “Bom baiano”. E veio outra falência, outro fechamento de televisão. Foi para a TV Bandeirantes. Fez ainda novela na TV Globo.


Vindo da Rádio São Paulo, na época, o seu destino natural foi a AIC, onde devido à sua voz, dicção perfeita e interpretação, era sempre muito escalada para a dublagem das atrizes dos filmes, dos chamados "longa-metragens". Atrizes como Jane Fonda, Shirley Maclaine e inúmeras outras obtiveram para o telespectador brasileiro a voz de Arlete Montenegro. Era sempre muito escalada para a dublagem de grandes personagens em filmes.



** ARLETE MONTENEGRO NA DÉCADA DE 1960**



Com o crescimento do gênero novela, com a sua dedicação ao teatro, Arlete Montenegro se afasta um pouco da dublagem até surgirem os animes na década de 1980, onde fez participações.


Em 1993, a TV Record traz a série Assassinato por Escrito, onde a escritora detetive foi dublada por Sandra Campos em sua 1ª temporada. A atriz Angela Lansbury foi indicada diversas vezes ao prêmio Emmy, porém nunca o ganhou!!



** A 2ª VOZ DE JESSICA FLETCHER NA SÉRIE ASSASSINATO POR ESCRITO**


A emissora não demonstrou interesse em continuar a sua exibição, assim com a vinda do canal a cabo USA, já no final da década, optaram por exibir a série na íntegra, porém Sandra Campos já havia falecido. Dessa forma, Arlete Montenegro assume a personagem até a última temporada.


** Aqui, temos um trecho do filme A Teia de Renda Negra, no qual Arlete Montenegro dubla a atriz Doris Day, ao lado do dublador Aldo César, pelo estúdio BKS:
video


Uma atriz de teatro, televisão e uma excelente dubladora, é a descrição dessa artista que passou também pela AIC.


**DEPOIMENTO DE ARLETE MONTENEGRO AO PRÓ-TV (MUSEU DA TV BRASILEIRA)**



**Marco Antônio dos Santos**

0 comentários:

Postar um comentário