3 de maio de 2018

A DUBLAGEM DO FILME "MORITURI"



Japão, 1942. Mueller (Yul Brynner), um capitão da marinha nazista, mostra-se irritado por ser obrigado em aceitar uma tripulação composta em parte por criminosos. Entretanto a missão é urgente, pois parte do carregamento são sete mil toneladas de borracha pura, que servirão para calçar as tropas alemãs na Europa. Robert Crain (Marlon Brando), um desertor alemão que vive na Índia, é chantageado por Statter (Trevor Howard), um coronel do Serviço de Inteligência Inglês, que quer que Crain embarque neste mesmo navio se fazendo passar por um SS da Gestapo, pois este carregamento também é importante para os Aliados.
 A função de Crain é desativar todos os explosivos, que farão o navio afundar quando o capitão sentir que sua carga será capturada pelo inimigo. 


Um oficial alemão, dissidente do regime nazista, vive tranquilamente na Índia.
Um dia, é “recrutado” por um alto cargo dos Serviços Secretos Britânicos, para uma missão de alto risco. Deve-se passar por um oficial da SS, infiltrar-se num cargueiro, que parte do Japão para a Alemanha com um vasto carregamento de borracha. Como os ingleses não querem que tamanha carga se perca, o “bom alemão” deve desactivar as cargas explosivas a bordo e fazer tudo para tomar o navio e levá-lo às mãos dos Aliados.

O comandante do navio é um homem rigoroso, mas não fanático.
A tripulação divide-se entre os fieis à Alemanha e os devotos a Hitler.
Em quem confiar?



Muito interessante e curioso filme, que visa menos as ações heróicas e espectaculares, procurando ser mais um “estudo” sobre o debate de consciência à volta do Certo e Errado, no que envolvia a luta entre a fidelização à moral alemã e a entrega ao fanatismo nazista.

Alguma tensão e algum suspense (tudo estala nos 15 minutos finais), onde a riqueza narrativa e emocional está no duelo ético entre os dois protagonistas.



Marlon Brando cumpre com a sua habitual segurança e até dá um ar "action hero" (mas não ações a John Wayne, Errol Flynn ou Steve McQueen).

Yul Brynner dá-nos mais uma daquelas intensas interpretações como só ele sabia (poucos sabiam fazer do olhar, da voz e do rosto uma “arma” de representação como Brynner sabia).
A trilha sonora de Jerry Goldsmith.


O título "Morituri" é uma palavra latina com o significado de moribundo. Com a fraca recepção nos cinemas americanos, os produtores buscaram títulos alternativos como The Saboteur. O termo é famoso como parte de uma saudação dos gladiadores romanos ao Imperador, antes de partirem para as lutas nas arenas. A frase em latim, que muitos consideram um mito, é Ave Imperator, morituri te salutant, geralmente traduzida em português do Brasil para "Ave César, os que vão morrer te saúdam".



Alguns enquadramentos de fotografia dessa obra são um colírio para os amantes do cinema (assim como o roteiro, muito engenhoso). Tome-se como exemplo as tomadas de câmera quando o personagem de Marlon Brando vai pela primeira vez tentar sabotar o navio. Há uma cena em que a câmera percorre de baixo para cima os fios da eletricidade e quando esta chega mais acima vemos o personagem de Brando já ali, naquele patamar.

**A DUBLAGEM DA AIC**


O filme produzido em 1965, como não alcançou um grande público, logo veio para as telas da televisão, algo raro naquela década. Conforme pesquisas realizadas, o filme foi dublado entre 1968/69 e traz Sérgio Galvão na direção de dublagem. Nesse período, conforme informações obtidas, foi o retorno de Sérgio Galvão para a AIC. Saiu para outras atividades em fins de 1965 e retornou em 1968.
Com o seu retorno já veio a direção de dublagem também. Em filmes ou séries de tv que dirigia gostava de dublar o ator principal, como foi o personagem de James Stacy na série Lancer.
O mais importante desse breve relato é o fato de que as suas escalações de dubladores sempre foram primorosas. Escolhia o dublador perfeito para o personagem tanto em séries de tv como em filmes.
É o caso da dublagem excelente do filme "Morituri".



Segundo o saudoso dublador Sívio Navas, o ator Marlon Brando é um dos atores mais difíceis de serem dublados com qualidade. Ele dizia:
 "Dublar o Brando requer muita técnica e muita paciência. Ele nunca mudava o tom de voz, as suas mudanças eram feitas nos seus olhares e aí eu tinha que prestar muita atenção na sua fisionomia para tentar expressar com a voz aquilo que o ator estava interpretando."

Poucas dublagens de Marlon Brando captaram o que Sílvio Navas mencionou. No filme "Morituri", Sérgio Galvão consegui esse êxito com extrema qualidade. O personagem varia do cinismo, das suas revoltas com o Nazismo e ainda necessita ser dissimulado. Um grande trabalho de dublagem realizado com extrema competência por Sérgio Galvão.


Aldo César dublando o capitão, interpretado pelo ator Yul Brynner, é digno de aplausos! Com sua voz marcante deu o tom preciso de um personagem com problemas pessoais e, ao mesmo tempo, servindo ao seu país, embora não que concordasse totalmente com o Nazismo. Aldo César teve uma de suas melhores dublagens já realizadas na AIC, uma competência extraordinária.

Eleu Salvador completa o principal triângulo de atores e, praticamente incorporou, através da sua interpretação com a voz do alemão rígido ao Nazismo realizado pelo ator Martin Benrath, demonstrando o seu desprezo e ódio pelos judeus ao bordo.  
Neste caso também, o ator se valeu muito das expressões faciais, as quais foram desenvolvidas com a excelente interpretação com a voz.



Há ainda a participação de Rita Cleós, muito conhecida por dublar Samantha na série "A Feiticeira". Aqui, dubla uma judia, a qual tem que embarcar num navio de guerra nazista. Uma mulher sofrida com os horrores da guerra, interpretada esplendidamente por Rita Cleós, a única presença feminina no filme.

Há ainda diversas atuações para os personagens secundários com dubladores de grande quilate como: Mário Jorge Montini, Waldyr Guedes, Garcia Neto, João Ângelo, José Miziara, Sílvio Matos, Flávio Galvão e o falsete realizado por Carlos Alberto Vaccari, além de sua voz fantástica para a abertura.

Enfim, uma dublagem de extrema competência e qualidade, que enriquece muito o deleite de assistir ao filme.
Tempos grandiosos da AIC e da dublagem brasileira!! 


**Elenco / Personagens / Dubladores**

Marlon Brando ... Robert Crain > Sérgio Galvão.
Yul Brynner ... Captain Mueller > Aldo César.
Janet Margolin ... Esther > Rita Cleós.
Trevor Howard ... Colonel Statter > Waldyr Guedes.
Martin Benrath ... Kruse > Eleu Salvador.
Hans Christian Blech ... Donkeyman > João Ângelo.
Wally Cox ... Dr. Ambach > Carlos Alberto Vaccari (falsete).
Max Haufler ... Branner > Francisco José.
Rainer Penkert ... Milkereit > Flávio Galvão.
Oscar Beregi Jr. ... Almirante > Mário Jorge Montini.
Carl Esmond ... Comandante Busch > José Carlos Guerra.

Há ainda a participação de Carlos Campanile, José Miziara, Garcia Neto, João Paulo Ramalho, Xandó Batista e Sílvio Matos dublando pequenos personagens.



**VAMOS REVER A EXCELENTE DUBLAGEM DA AIC**

**PARTE 1**


**PARTE 2**


**PARTE 3**


**Fonte de Pesquisa: Adoro Cinema**
      **Acervo Pessoal**

**Marco Antônio dos Santos**